Redação JM Notícia

“As igrejas acolhem mais os homossexuais que os grupos LGBT”, diz Eli Borges

O deputado federal Eli Borges (SD-TO) participou da reunião da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados nesta quarta (10) e pode falar com a ministra Damares Alves, que mostrou aos deputados um pouco dos trabalhos de sua pasta.

O parlamentar tocantinense chamou a atenção dos presentes sobre as críticas que foram feitas contra o atual governo, mas que não levaram em consideração a herança dos últimos presidentes da República.

“Ouvi algumas coisas aqui que vai me assustando. Parece que o Brasil não foi governador por um grupo, por um período longo, que não deixou nenhuma herança. Parece que deixaram um paraíso e que, em um pouco de tempo, alguém desfez este paraíso. Isso não é verdade”, declarou.

Deputados de partidos de esquerda cobraram Damares pela fome, desemprego e pelos números da violência que assolam o país, imputando ao atual governo todos os dados de anos atrás.

“Nós não podemos assumir essa herança. O governo Bolsonaro tem apenas 100 dias. Por favor!”, clamou o deputado do Solidariedade. “É preciso deixar isso claro”, completou.

Eli Borges, que apoio a eleição de Jair Bolsonaro, discordou de seus pares que disseram que o atual governo “tem um padrão nocivo”. O deputado evangélico vê que Bolsonaro tem mostrado a defesa pela Pátria e promovido o combate ao terrorismo e o crime.

VEJA TAMBÉM
Damares indica ser contra indenização de R$ 11 mil a Dilma; ela reage: "meu direito"

Sobre programas para a comunidade LGBT, Eli Borges rebateu uma deputada que afirmou que os homossexuais não têm acesso a emprego digno. “Isso não é verdade. Olha os resultados de concursos de Norte a Leste e vão ver que eles estão passando e concurso e concorrem com o mesmo direito que os outros têm, porque a Constituição Federal diz que todos são iguais perante a Lei e não dá para criar um segmento superior a outro”.

Eli Borges também criticou as falas de que a população LGBT vive excluída e odiada. Ele lembra que os projetos educacionais aprovados anteriormente não servem para as crianças.

“Chegou políticas específicas, material pedagógico e debates. Eu pergunto aos senhores, como posso levar um debate de um adulto para uma criança que aos 7 anos não discerne entre orientação, mandamento e sugestão. Ele não é parte do debate, ele acredita em todos os adultos que estão diante dele”, afirmou.

Foi então que ele lembrou de um desafio feito a um grupo LGBT. “Eu quero provar para vocês que as igrejas acolhem muito mais pessoas homoafetivas do que vocês, com toda a organização que tem. Quero que me tragam os números, que eu tenho como provar também”, se posicionou.

VEJA TAMBÉM
Durante evento do PSC, Eli Borges é convidado a disputar o senado pelo pastor Everaldo Pereira

Ele, como pastor evangélico, deixou claro que não há esse ódio que afirmam que os cristãos sentem ódio dos homossexuais. “Eu não estou vendo pastores e nem padres exercitando esse ódio”, declarou.

Ministra Damares

Ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves – Foto: Divulgação

Antes disso, Eli Borges elogiou a forma como Damares tem conduzido este ministério tão importante. “Eu quero parabeniza-la por sua competência em fazer a gestão de uma pasta que, a priori é muito questionada, mas o seu equilíbrio que externa todas as vezes que se posiciona diante das temáticas do direitos humanos e, inclusive, do organograma que mostra o seu perfil de coerência e sensatez com as demandas que tanto clamam pela senhora”.

Saiba + Damares chora após deputada petista ironizar sobre ‘pé de goiabeira’ 

Saiba + Vice-líder do SD questiona aumento da idade mínima e desconstitucionalização da Previdência

Vídeo||