Vereador Lúcio faz apelo ao Governo do Estado para que resolva situação do Hospital Geral de Palmas

Os problemas recorrentes de superlotação, demora nos atendimentos, falta de medicamentos e carência de médicos, levaram o vereador Lúcio Campelo (PR) nesta terça-feira, 16, em sessão na Câmara de Palmas, a apelar ao Governo do Estado para que resolva, com urgência, a atual situação do Hospital Geral de Palmas (HGP). “Quero aqui fazer um apelo ao governador Mauro Carlesse para que paralise qualquer outro tipo de obra física do nosso Estado, mas que resolva de imediato a situação do nosso HGP. É questão de humanidade!”, apelou.

Na tribuna, o parlamentar leu mensagem que recebeu de paciente internada no hospital em decorrência de problemas em joelho, alertando o vereador sobre fila com mais de 180 pessoas aguardando cirurgia. “O HGP está um caos e o pior de tudo é que não se pode fazer cirurgia porque não há médicos suficientes para tal. Eles alegam falta de recursos como medicamentos e material cirúrgico”, segundo a mensagem.

Na visão do vereador, o atendimento aos tocantinenses no HGP deixa muito a desejar. “E chegou o momento do Governo do Estado tomar posição a favor do povo”, frisou Lúcio.

VEJA TAMBÉM
Governo do TO publica MP que autoriza contratação de 263 médicos especialistas

Apelo aos médicos/Carga horária

Imposição de carga horária pelo Governo Estadual aos médicos do Tocantins, sem prévio acordo com a classe (segundo o Simed), vem refletindo nos atendimentos nos hospitais. Campelo também fez apelo para que os profissionais hajam com dedicação. “Quero aqui também fazer apelo aos médicos que fizeram juramento de salvar vidas para que não deixem as pessoas padeceram ali”, pediu Lúcio.

Contato aos deputados

Com o intuito de solucionar as carências, Lúcio Campelo sugeriu contato conjunto dos vereadores aos deputados estaduais para diligências junto ao Estado. “É necessário que a Assembleia Legislativa também tome providências para fazer com que o Governo do Estado haja efetivamente sobre a saúde do nosso Estado”, defendeu o vereador.