Da redação JM

Pastor Douglas Baptista é presidente do Conselho de Educação e Cultura da CGADB. Foto: Reprodução

Dentro do movimento evangélico no Brasil alguns líderes ultrapassam as prerrogativas de sua autoridade e trazem como consequência dessa decisão, grandes males à Igreja como, por exemplo, disputas ministeriais e até mesmo divisões em alguns lugares.

Quem recentemente alertou sobre o tema foi o pastor Douglas Baptista, líder da Assembleia de Deus de Missão do Distrito Federal e presidente do Conselho de Educação e Cultura da CGADB. Em entrevista à TV CPAD, o pastor respondeu ao jornalista Edilberto Silva sobre como o líder deve saber o limite entre a autoridade e o autoritarismo.

Esse é um problema sério porque alguns líderes realmente não conseguem fazer a divisão de uma e outra coisa”, lamentou o pastor.

CGADB aprova projeto que viabiliza a criação de colégios e universidades da AD no Brasil

Para ele, o ministro deve ter muito cuidado no trato com seus liderados para que não ultrapasse seu papel de autoridade dada por Deus.

Eu posso dizer a mesma coisa de formas diversas. Usar a minha autoridade para corrigir algo sem ofender, sem machucar. E posso, infelizmente, ultrapassar essa linha e, de maneira autoritária, querer corrigir algo e acabar ofendendo e até provocando um mal maior”, pontuou.

VEJA TAMBÉM
Pastor responde críticos das férias pastorais: 'tem gente que pensa que pastor não trabalha'

Conselho de Educação da CGADB promove Encontro Geral de Educadores Teológicos

Sobre a colheita que se tem onde há a prática do autoritarismo, o pastor destacou que “infelizmente tem sido um problema sério que tem acarretado inclusive divergências e até divisões dentro da própria Igreja”.

O ministro não pode cuidar da Igreja como se fosse o proprietário dela”, salientou o líder assembleiano.

Assista (a partir de 04:17):

CLIQUE AQUI