Da redação JM

O deputado autor do projeto é filho do pastor e deputado federal Sargento Isidório

A ‘entrega da Proteção e Comando Supremo Espiritual do Estado da Bahia à Santíssima Trindade’. Essa é a proposta do projeto de lei do deputado Pastor Isidório Filho (AVANTE), publicado no Diário Oficial Assembleia Legislativa da Bahia nesta terça, 16.

O PL 23.227/2019 ainda ‘anula pactos’ com ‘forças maléficas’ e ‘anjos das trevas’ que poderiam prejudicar o povo ‘nas águas, matas, desertos, rochas e lugares ocultos’.

João Isidorio, filho do deputado federal Pastor Sargento Isidório (AVANTE-BA), afirma que o projeto é um ato de fé, que pede ‘a Deus proteção e bênçãos para o Estado’.

“Nossa nação tem passado por problemas que às vezes não estão mais na mão dos homens. Estamos entregando nosso estado à Santíssima Trindade para que Deus nos abençoe e a gente consiga sair da crise, no estado e nacionalmente.”

Segundo o deputado, a proposição não fere a laicidade do Estado prevista pela Constituição Federal.

Pastor Isidório apresenta projeto que veta verba pública para ‘valorização’ de ideologia de gênero

VEJA TAMBÉM
Naufrágio de lancha em Salvador deixa ao menos 23 mortos

 “Eu não estou desrespeitando nenhuma religião, a não ser que alguma diga que quer amaldiçoar o estado. Isso aí a gente vai repreender o tempo. É um pacto que busca as bênçãos de deus sobre o nosso estado, que anule as maldições independente de onde elas tenham sido feitas”, diz o pastor.

O deputado João Isidório, de 27 anos, foi o candidato da Assembleia Legislativa da Bahia mais votado nas eleições 2018. Seu pai, o Pastor Isidório (AVANTE), foi o mais votado no Estado para a Câmara dos Deputados, em Brasília, onde apresentou o primeiro projeto da Casa Legislativa em 2019, que propõe transformar a Bíblia em ‘Patrimônio Nacional, Cultural e Imaterial do Brasil e da Humanidade’.

Na justificativa do projeto, Isidório Filho indica a relação do projeto com o decreto do prefeito de Guanambi, Jairo Magalhães, que entregou as chaves do município a Deus, em ato simbólico no dia 2 de janeiro de 2017. Para ele, o decreto ‘apenas ratificou uma verdade universal e bíblica’.