Da redação

Estudantes fizeram protesto em escola de Palmas — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Cerca de 100 alunos da Escola Frederico Jose Pedreira Neto, no centro de Palmas, fizeram um protesto na manhã desta sexta-feira (26) na porta da unidade. Com cartazes, apitos e gritos eles chamaram atenção de quem passava pela avenida para cobram melhores condições na unidade.

Os cartazes mostravam fotos do teto do laboratório caindo e carteiras quebradas dentro das salas de aula, além de oficios enviados para a Secretaria de Educação pedindo melhorias. A unidade tem aparelhos de ar condicionado embalados que nunca foram instalados.

Quando chove o pátio e algumas salas ficam cheios de água. Além disso, prédio também acumula focos do mosquito Aedes egypti. “Por se uma escola referência no ensino médio a situação é muito caótica. Não tem estrutura, ar-condicionado não funciona. Quando chove a escola alaga, a água fica na metade da perna do aluno”, afirmou a estudante Maria Vitória.

Segundo ela, o calor é tanto que chega a atrapalhar as aulas. “Os ventiladores, quando funciona é só um. Além disso o professor não consegue competir com o barulho do ventilador. Por mais que o professor fale alto, o barulho é muito alto. Então, tem que desligar para poder falar, mesmo os alunos morrendo de calor”, afirma.

VEJA TAMBÉM
Seminário promove debate científico sobre identidade de gênero no RJ

Apesar da condição precária, no começo do mês a escola foi escolhida para receber um projeto piloto da rede estadual com a aplicação de um novo modelo de ensino médio na rede pública. A escolha das unidades foi realizada pelo próprio Ministério da Educação (MEC), em 2018.

“Nós recebemos essa notícia há duas semanas. Nós ficamos meio perdidos porque nós sabemos que o colégio não tem estrutura e o processo é justamente o contrário, tentar minimizar o tempo das aulas. Primeiro era uma hora de aula e reduziu para 50 minutos. Esse era o processo, primeiro vamos arrumar o colégio para depois cuidar disso”, afirmou o estudante Júlio Cesar Moraes.

Revolta é o sentimento dos alunos. Eles querem mais do que resposta, querem solução. “Tem Enem, tem vestibular e o que a gente vai levar? Não aprendemos nada”, afirma Maria Vitória.

Outro lado

Sobre as reivindicações as reivindicações dos estudantes, a Secretaria de Estado da Educação informou:

  • A complementação da climatização da escola está sendo providenciada e os aparelhos de ar-condicionado foram entregues. No entanto, a rede elétrica não comporta a carga de aparelhos ligados ao mesmo tempo. Já existe um processo em andamento para que a adequação da rede seja realizada.
  • Quanto à estrutura física da escola, a Diretoria Regional de Ensino irá averiguar a situação para então tomar as providencias administrativas, caso sejam necessárias.
  • Sobre o Novo Ensino Médio, a pasta esclarece que o mesmo se trata de um programa do Governo Federal implantado em todo o País. A escolha das unidades foi realizada pelo próprio Ministério da Educação (MEC), em meados de 2018, considerando uma série de critérios.
  • Devido o maior tempo de permanecia dos estudantes na unidade de ensino, devido ao novo modelo de Ensino Médio, estas escolas receberam um recurso extra para complementar a alimentação escolar.
VEJA TAMBÉM
Apadrinhamento afetivo de crianças e adolescentes em abrigos é uma das proposta do candidato JC

(Com G1)