Redação JM Notícia

Um estudo da Universidade de Michigan diz que em países com cultura religiosa cristã, quanto mais alto o envolvimento de uma pessoa com a religião, menores são os riscos de suicídio.

Publicado no The Journal of Health and Social Behavior, o estudo foi feito nos EUA com 371 pacientes com depressão, afiliados ou não a religiões.

Os indivíduos sem afiliação religiosa relataram menos razões para viver e menos objeções morais ao suicídio. O perfil dessas pessoas são mais jovens, solteiros, sem ou com menos filhos e não mantinham muito contato com suas famílias.

Para os pesquisadores, a afiliação religiosa está relacionada a taxas menores de tentativas de suicídio: entre os pacientes com quadros de depressão, aqueles não afiliados a qualquer religião têm mais tentativas de suicídio ao longo da vida e maior ocorrência de familiares de primeiro grau que cometeram suicídio.

Os pesquisadores entenderam que a religião diminui os riscos de suicídio porque a moral cristã rejeita o ato de tirar a própria vida, além de desaconselhar atos violentos e agressivos, afastando as pessoas desses pensamentos. Os dados dessa pesquisa foram apresentados no Brasil pelo jornal Gazeta do Povo.