Da redação

Jovem foi presa suspeita de matar o irmão de 5 anos em São Roque — Foto: Arquivo pessoal

A investigação da Polícia Civil de São Roque (SP) apontou que Karina Aparecida da Silva Roque, presa por torturar e matar o irmão de 5 anos, fez buscas na internet por conteúdos explicativos sobre tipos de demônios e magia negra na semana do crime, cometido no início de abril. O inquérito sobre o caso já foi concluído.

Segundo a investigação, a jovem de 18 anos enviou links das pesquisas para uma amiga, que levou o conteúdo à polícia após o crime. Entre as pesquisas feitas por Karina estão termos como “demônio da insônia”, “demônio da pornografia”, “Lúcifer” e “pentagrama associado a magia negra”, além de uma imagem em preto e branco de uma cena de enforcamento.

Mãe mata os próprios filhos alegando estarem possuídos pelo demônio

Em entrevista a uma rádio local, a mãe de Karina, Daniela Cordeiro da Silva, contou que, no dia do crime, a jovem disse a ela que se chamava Sabrina. A informação foi confirmada pela polícia. Coincidentemente, Sabrina é o nome da protagonista de uma série exibida por um serviço de streaming que trata de assuntos como bruxaria e magia negra.

VEJA TAMBÉM
Jovem mata outro, arranca coração e põe imagem de santa: "era um demônio"

“Quando cheguei, a porta estava fechada, ela já estava estranha, estava quebrando o celular, falou que eu não era mãe dela, que era para eu ficar de joelho e disse que o nome dela era Sabrina. Estava com a voz estranha, não era ela”, comentou.

O laudo do Instituto Médico Legal (IML) apontou que o irmão da jovem, Maycon Aparecido da Silva Roque, foi morto com requintes de crueldade e, de fato, foi torturado, ou seja, chegou a sofrer algumas lesões enquanto ainda estava vivo, na casa da família, no bairro Gabriel Piza, em São Roque.

Durante as investigações, a polícia também ouviu a família dos irmãos e todos disseram que Karina cuidava bem de Maycon e, inclusive, apresentava hábitos normais de uma jovem de 18 anos.

Porém, uma semana antes do crime ela passou a ter um “comportamento alterado”, não dormia bem e falava pouco, relatou a família à polícia.

A amiga da suspeita ainda disse à polícia que Karina chegou a contar que sonhou que iam matar alguém da família dela e iam culpá-la. Os prints da conversa da jovem com a amiga foram anexados ao inquérito policial, que já foi entregue ao Ministério Público.

VEJA TAMBÉM
Humorista que fingiu estar possuído em culto da Universal diz que foi processado pela igreja

Inicialmente, Karina confessou à Polícia Militar que, na noite do dia 4 de abril, asfixiou o irmão com um travesseiro. Depois que o menino já estava morto, segundo o boletim, ela contou que furou os olhos do menino, decepou e comeu o pênis, e ainda queimou os pés dele.

Segundo a Polícia Civil, o laudo do IML revelou que, na verdade, o menino teria sofrido algumas dessas lesões enquanto ainda estava vivo. Porém, a polícia optou por não revelar as especificações do crime.

A polícia concluiu que Karina praticou o crime sozinha, sem auxílio de outras pessoas. A perícia feita no celular dela, que foi encontrado queimado, não conseguiu recuperar o conteúdo do aparelho. Um chip também foi periciado e não levou a outros envolvidos no crime.

(Com G1)