Da redação

Leandro Rodríguez Lastra, tentou em Cipolletti por se recusar a realizar um aborto em uma garota estuprada. Foto: ImCipolletti

Um médico argentino enfrentou um julgamento oral na segunda-feira por se recusar a realizar um aborto em uma mulher grávida após um estupro.

É Leandro Rodríguez Lastra, chefe da Ginecologia Hospital Pedro Moguillansky de Cipolletti, que foi acusado do crime de “violação dos deveres de funcionários públicos”, de acordo com o Ministério Público.

Nos arredores do tribunal, vários manifestantes se reuniram em favor e contra o caso de Rodríguez Lastra.

Vários protestos também foram realizados na Internet. Mais de 6.000 usuários twittou a frase #SalvarVidasNoEsDelito em apoio ao médico e levou a plataforma para expressar a sua opinião sobre o caso, que poderia marcar um marco no país, de acordo com o site lmneuquen digital.

O Clarín informa que o julgamento vai continuar até quarta-feira 15 e, desde então, o juiz Meynet terá uma semana para anunciar sua decisão.

Em 2 de abril de 2017, uma jovem foi encaminhada ao hospital Pedro Moguillansky, em Cipolletti, do centro de saúde da vizinha Fernández Oro, com um quadro de febre e dor abdominal. Depois que ela foi vista por Rodríguez Lastra, chefe do departamento de Ginecologia da instituição, a paciente disse que estava grávida e ingeriu uma droga (Oxaprost) para provocar um aborto. A pílula em questão teria sido entregue a ele por uma organização não médica.

Após um exame, determinou-se que a jovem estava com 22 semanas de gravidez (5 meses). Rodríguez Lastra concluiu que interromper o processo colocaria em risco a vida da mãe e do feto e interviria com medicamentos para estabilizar o paciente.

A mulher teve que continuar com a gravidez até a semana em que o parto foi induzido. O bebê foi dado para adoção e hoje tem cerca de dois anos.

Segundo relatos, a jovem veio ao centro de saúde de Fernández Oro no final de 2017 e no início de 2018, onde nenhuma determinação foi feita sobre sua situação.

Poucos dias após o fato se tornou público, o vice-provincial Marta Milessi, o partido Juntos são Black River (JSRN), apresentou uma queixa legal contra Rodriguez Lastra e Dr. Yamila Custillo (mais tarde foi retirado da acusação) por violação dos seus deveres profissionais. Milessi é responsável pela lei provincial 4796 de “Cuidados de saúde em casos de abortos não puníveis”.

“Eu agiria da mesma maneira hoje e sempre porque não é uma questão ideológica de qualquer tipo que não seja médica. As coisas são muito claras, os procedimentos são claros, sei que o cumpri porque não violei nenhuma lei “, disse o ginecologista à LU5 Rodríguez Lastra. Ele argumenta que se a gravidez tivesse sido interrompida nesse caso, o feto teria nascido com efeitos irreversíveis, como possíveis deformações, e a vida da mãe estaria em alto risco.

Os promotores do caso têm uma opinião muito diferente. “Com suas ações, o médico não tinha cumprido com as normas estabelecidas pela Lei Provincial 4796 e Decreto 182/2016 provincial, entre outros regulamentos que regem os direitos das vítimas de abuso sexual que resultaram produto grávida do estupro para acessar a interrupção legal de sua gravidez, e não cumprimento encuadraría na figura de abandono do dever de funcionário público “, os promotores disseram Santiago Márquez Gauna e Anabella Camporessi perante o juiz Julio salário na audiência de outubro 2018 em que o juiz determinou que o médico foi levado para julgamento oral.

Erro › WordPress

O site está passando por dificuldades técnicas.