Da redação JM

Líderes religiosos em Honduras não podem exercer cargos políticos caso não renunciem aos púlpitos

Um grupo de pastores hondurenhos que tentou reformar a Constituição para participar da política enquanto continuassem em seu ministério terão que traçar outro caminho, já que perderam na Assembléia Nacional ao não obtiverem os votos necessários.

“Não vamos apoiar, o estado é Laico, é um legado da luta de Morazán e defender esse legado”, disse El Diario La Prensa, o líder da bancada do Partido Livre, Carlos Zelaya.

Sem esses 30 votos, eles não serão capazes de reunir os 86 necessários para levar a cabo essa reforma da Constituição, que proíbe a participação na política de líderes religiosos, sejam católicos ou evangélicos.

O artigo 77 indica que o livre exercício de todas as religiões e cultos sem qualquer preeminência é garantido, desde que não contrariem as leis e a ordem pública.

Os ministros das diferentes religiões, não poderão exercer posições públicas nem fazer em qualquer propaganda política, invocando razões de religião ou valendo, como meios para tal fim, as crenças religiosas da cidade.

Entenda

Um grupo de pastores evangélicos tem tentando criar um partido político que se chamará Honduras Transformation, uma intenção que está em sintonia com o projeto de lei que foi rejeitado pelo Congresso para que os ministros da fé possam candidatar-se a um cargo eleito.

“Somos a favor da formação de uma instituição política não evangélica; uma instituição política com pessoas dignas de cidadãos, representando o país nos 18 departamentos “, disse Jefry Gómez, pastor da igreja Iglesia Amados de Dios.

Ele esclareceu que este não é um partido político da igreja evangélica, mas que eles são pastores evangélicos que independentemente procuram estruturar um partido composto de líderes morais.

“No nível nacional, há pessoas sábias e inteligentes que, junto com o pastorado, podem
formar uma grande equipe”, insistiu.

“É hora de Honduras apresentar uma reserva moral que está esperando que nos seja
dada a oportunidade de liderar e governar o país, logicamente não do ponto de vista
religioso”, disse ele.

(Com CBN)