Da redação

Moisemar Marinho defende delegados Wanderson Chaves de Queiroz e Gregory Almeida Alves do Monte. Foto: Aline Batista/Câmara de Palmas

Em pronunciamento na Câmara Municipal de Palmas, nessa quarta-feira, 15, o vereador Moisemar Marinho repudiou a suspensão dos delegados Wanderson Chaves de Queiroz e Gregory Almeida Alves do Monte, pela Corregedoria da Polícia Civil (PC). O procedimento administrativo se deu em razão dos profissionais terem formalizado, em 2018, ameaça de prisão ao delegado-geral da PC, Rossílio de Souza Correia.

Para Moisemar Marinho, o Governo do Estado quer estagnar o trabalho da Polícia Civil. “Acredito que toda a população não concorda com a punição dos delegados que estavam investigando, fazendo a papel de Polícia Judiciária. Por diversas vezes, discuti esse assunto mostrando que aquele decreto e as leis que o Palácio Araguaia aprovou iriam chegar a esse ponto. Avisei, ainda, que o fortalecimento da Corregedoria não era para combater ato ilícito, mas para frear as investigações da Polícia Judiciária”, criticou.

Moisemar Marinho quer proibição da venda de canudos de plástico em Palmas para preservar o meio ambiente

Em março, Moisemar chegou a fazer diversas intervenções na tribuna da Câmara para protestar o que classificou como “pacote de maldades” o Projeto de Lei e Emenda Constitucional que alteraram o Estatuto da PC. “Protestei, fiz moção de repulsa aqui neste parlamento, encaminhamos ofício, deliberamos com sindicato, mas, infelizmente, as leis foram aprovadas e o resultado está aí: um governo tirando o que é de direito da sociedade, uma polícia que quer trabalhar e defender o povo tocantinense”, afirmou.