Da redação

Kay Ivey diz que o projeto de lei é uma declaração poderosa para a crença profunda nesse estado de que toda vida é de Deus.

O governo do Alabama assinou a mais dura lei de aborto no país. A governadora Kay Ivey diz que o projeto de lei é uma declaração poderosa para a crença profunda nesse estado de que toda vida é de Deus.

“Para os muitos defensores da lei, esta legislação é um poderoso testemunho da crença profunda dos cidadãos do Alabama acreditam que toda vida é preciosa e que toda vida é um dom sagrado de Deus”, disse o governador republicano em um comunicado. .

O projeto de lei torna o aborto em qualquer estágio da gravidez um crime, punível com 10 a 99 anos ou prisão perpétua, para o provedor de aborto.

Não há exceção para estupro ou incesto, apenas os casos em que a saúde da mulher está em sério risco são considerados.

Médico argentino é julgado depois de se recusar a realizar um aborto

A lei não entrará em vigor por seis meses, mas espera-se que enfrente desafios legais para impedi-la.

E esse é o objetivo: ir à Suprema Corte para derrubar Roe contra Wade, a decisão de 1973 que legalizou o aborto em todo o país.

“Os patrocinadores deste projeto acreditam, mais uma vez, que é hora de a Suprema Corte dos Estados Unidos reexaminar esta importante questão e acreditar que esse ato pode proporcionar a melhor oportunidade para que isso aconteça.” disse Ivey.

“Roe está destinado a se tornar uma nota histórica”, disse Kristan Hawkins, da Students for Life.

Enquanto isso, a Louisiana está se movendo em direção à aprovação de um projeto de lei que proíbe abortos quando uma pulsação fetal é detectada. O governador democrata John Bel Edwards indicou que vai assinar o projeto.

Vários outros estados já aprovaram contas de heartbeat, embora nenhuma tenha entrado em vigor.

Os projetos, juntamente com as medidas democráticas que protegem o aborto em outros estados, podem tornar o aborto um grande problema nas eleições de 2020.