Redação JM Notícia

Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado em 22 de maio de 2019 | Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Nesta quarta-feira (22), a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou a PL 672/ 2019 que criminaliza a homofobia, incluindo a discriminação contra homossexuais como crime de racismo.

Apresentado pelo senador Weverton (PDT-MA), o projeto aprovado na CCJ é um texto alternativo do relator, senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), que propôs a criminalização das tentativas de se proibir manifestações públicas de afeto. Conforme a proposta, quem “impedir ou restringir a manifestação razoável de afetividade de qualquer pessoa em local público ou privado aberto ao público”.

O texto alternativo, porém, faz ressalvos para templos religiosos, que poderão expressar sua confissão de fé contra a prática homossexual sem ser penalizado por isso. Fora essa condição, quem discriminar um homossexual poderá ser punido com a penas de um a três anos de reclusão.

O texto alternativo também acrescentou os termos “intolerância” (outra forma de manifestação dessa prática criminosa, ao lado da discriminação e do preconceito) e “sexo” (outro fator motivador do delito, ao lado de raça, cor, etnia, religião e procedência nacional) nos dispositivos alterados na Lei do Racismo.

VEJA TAMBÉM
CCJ pode votar fim de vinculação automática entre salários de agentes públicos

“O projeto foi concebido dentro de um equilíbrio, respeitando a liberdade religiosa e o espaço dos templos, mas modernizando nossa legislação e evitando que outros Poderes, no caso o Poder Judiciário, legisle no nosso lugar”, defendeu Alessandro Vieira.

Como tramita em caráter terminativo na CCJ, caso seja aprovado na votação suplementar, o projeto pode seguir diretamente para Câmara dos Deputados, se não houver pedido para ser analisado no Plenário.

Saiba + Pesquisa inédita revela que principais estatísticas sobre mortes por homofobia no Brasil são falsas

Saiba + Eli Borges discute projeto de lei contra homofobia na Comissão de Direitos Humanos