Da redação JM

Representantes da Aliança Evangélica Latino-Americana (AEL) participarão da Assembléia Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA) para influenciar “a sociedade em favor da vida, da família, dos valores e dos princípios bíblicos”.

Além disso, eles querem “tornar visíveis para os representantes das diferentes nações, os mais de 100 milhões de evangélicos que têm voz”, de acordo com um comunicado da AEL.

“Temos certeza de que este ano poderemos estabelecer um novo precedente para essa importante organização para o continente. Nossa Aliança com outras organizações evangélicas procura iluminar, mostrar ou tornar visível que somos muitos que se opõem ao abandono dos princípios e valores estabelecidos na Bíblia como a Palavra de Deus. E vivemos sob esses princípios porque entendemos que somos feitura de Deus, semelhante ao seu filho Jesus Cristo “, disse Juan Cruz Cellammare, diretor executivo da AEL.

+ Igreja Universal lança revista para líderes evangélicos do Brasil

Esta será a terceira vez que a AEL estará presente na Assembléia Geral da OEA.

VEJA TAMBÉM
Palmas 30 anos: Somos a terceira capital mais evangélica do país

“Tivemos participação nos últimos dois anos, onde a AEL não só teve suas intervenções dentro da Assembléia Geral da OEA, como também organizou eventos fora da própria Assembléia. O que faz tudo para o qual lutamos dentro do recinto faz sentido na vida cotidiana. Este ano estamos passando pela nossa terceira incursão e esperamos ser sal e luz no meio da escuridão. Esses irmãos, homens e mulheres de Deus, serão uma tocha ardente para as nações “, disse Cellammare.

No ano passado, o Sr. Gerald Bogantes, vice-presidente da AEL Joven, fez um discurso na OEA que elevou os princípios e valores bíblicos em defesa da vida desde a concepção até a morte natural.

Este ano, o AEL “espera aprofundar o mesmo assunto também para expressar a posição da Igreja Evangélica em questões como a liberdade religiosa ea liberdade de expressão, objectores de consciência, e avançando diferentes interpretações que discriminam e desvalorizar essas ideologias opostas que atacam as famílias e o próprio centro de cada ser humano “, diz o texto.

(Com CBN)