Da redação

O Ministério Público do Tocantins (MPTO), por meio da 5ª Promotoria de Justiça de Araguaína, requereu, na quinta-feira, 30, que o município de Araguaína preste esclarecimentos sobre a falta de médicos em Unidades Básicas de Saúde da cidade.

A atuação da promotora de Justiça da área da saúde, Araína Cesárea D’Alessandro, foi motivada pela reclamação de uma cidadã que procurou a instituição e relatou ter comparecido à unidade de saúde do setor Cimba, em 21 de maio, em busca de atendimento, ocasião em que foi informada de que não há médico atendendo no local.

Também fundamentou o pedido de informações uma notícia veiculada em site de Araguaína, que relata a recorrente falta de médico na unidade de saúde do setor Costa Esmeralda, informando o caso de uma paciente que precisou remarcar a consulta por três vezes e que continua sem atendimento, por falta de profissional. 

A notícia também menciona que o médico lotado na Unidade Básica de Saúde do setor Costa Esmeralda não comparece ao local há cerca de um mês. Sobre este fato, a 5ª Promotoria de Justiça de Araguaína, que possui atuação na área de defesa da saúde, encaminhou a notícia à 6ª Promotoria de Justiça, que atua na área de defesa do patrimônio público, para que apure possível ato de improbidade administrativa referente ao descumprimento da carga horária de trabalho pelo profissional.

VEJA TAMBÉM
Em Araguaína, gestão prorroga matrículas com quatro mil vagas sobrando

O pedido de informações foi realizado no âmbito judicial, em uma Ação Civil Pública relacionada à ineficiência dos serviços de saúde da atenção básica de Araguaína.