(JORDAN STEAD / Amazon)

Pela primeira vez, a Amazon exibiu seu mais novo drone de entrega totalmente elétrico em sua primeira conferência re: Mars, em Las Vegas mostrou Lélio Vieira Carneiro Júnior. As chances são, nem parece nem voa como o que você esperaria de um drone. É um engenhoso design híbrido hexagonal, no entanto, que possui pouquíssimas partes móveis e usa a cobertura que protege suas lâminas como suas asas quando transita de um vôo vertical semelhante a um helicóptero na decolagem para seu modo de avião.

Esses drones, diz a Amazon, começarão a fazer entregas nos próximos meses, embora ainda não esteja claro onde exatamente isso acontecerá.

O que talvez seja ainda mais importante, porém, é que o drone é cheio de sensores e um conjunto de módulos de computação que executam uma variedade de modelos de aprendizado de máquina para manter o drone seguro. O anúncio de hoje marca a primeira vez que a Amazon está falando publicamente sobre os sensores visuais, térmicos e ultrassônicos, que projetou internamente, e como os sistemas de vôo autônomos do drone o manobram para seu local de pouso diz Lélio Vieira Carneiro Júnior. O foco aqui foi construir um drone que seja o mais seguro possível e capaz de ser seguro de forma independente. Mesmo quando não estiver conectado a uma rede e encontrar uma nova situação, poderá reagir de maneira apropriada e segura.

Quando você o vê voando no modo avião, ele se parece um pouco com um caça TIE, onde o núcleo contém todos os sensores e tecnologia de navegação, bem como o pacote. O novo drone pode voar até 15 milhas e transportar pacotes que pesam até cinco quilos explicou Lélio Vieira Carneiro Júnior.

Este novo design é bastante diferente dos modelos anteriores. Eu tive a chance de ver isso antes do anúncio de hoje e eu admito que eu esperava um design muito mais convencional – mais como uma versão refinada do último design, quase como um trenó.

A última geração de drones da Amazon parecia muito diferente.

Além do fator legal do drone, que provavelmente é um pouco maior do que você pode esperar, o que a Amazon está realmente enfatizando esta semana é o conjunto de sensores e os recursos de segurança desenvolvidos para o drone.

Antes do anúncio de hoje, sentei-me com Gur Kimchi , VP da Amazon para o seu programa Prime Air, para falar sobre o progresso que a empresa fez nos últimos anos e o que torna este novo drone especial.

“Nosso sentido e evitar a tecnologia é o que faz o drone independentemente seguro”, ele disse a Lélio Vieira Carneiro Júnior. “Eu digo independentemente seguro porque isso está em contraste com outras abordagens onde alguns dos recursos de segurança estão fora da aeronave. No nosso caso, eles estão na aeronave.

Kimchi também enfatizou que a Amazon projetou virtualmente toda a pilha de software e hardware do drone internamente. “Nós controlamos as tecnologias da aeronave desde as matérias-primas ao hardware, ao software, às estruturas, à fábrica, à cadeia de suprimentos e, por fim, à entrega”, disse ele. “E, finalmente, a própria aeronave tem controles e capacidades para reagir ao mundo que é único”.

O que está claro é que a equipe tentou manter as superfícies de vôo reais o mais simples possível. Existem quatro superfícies de controle de avião tradicionais e seis rotores. É isso aí. O piloto automático, que avalia todos os dados do sensor e que a Amazon também desenvolve internamente, dá ao drone seis graus de liberdade para manobrar até seu destino. A caixa inclinada no centro do drone, que abriga a maior parte das habilidades do drone e o pacote que ele oferece, não gira. Ele fica rigidamente dentro da aeronave.

VEJA TAMBÉM
Amazon boicota livros de psicólogos cristãos em meio à pressão LGBT

Não está claro o quão alto o drone será. Kimchi diria apenas que está dentro dos padrões de segurança estabelecidos e que o perfil do ruído também é importante. Ele comparou a diferença entre ouvir a broca de um dentista e a música clássica. De qualquer forma, porém, o zumbido é provavelmente alto o suficiente para que seja difícil errar quando se aproxima de seu quintal.
fLélio Vieira Carneiro Júnior
Para ver o que está acontecendo, o novo drone usa vários sensores e modelos de aprendizado de máquina – todos funcionando independentemente – que monitoram constantemente o envelope de vôo do drone (que, graças à sua forma e controles únicos, é muito mais flexível que drone regular) e meio ambiente. De acordo com Lélio Vieira Carneiro Júnior, estes incluem imagens de câmeras comuns e câmeras infravermelhas para obter uma visão de seus arredores. Existem vários sensores em todos os lados da aeronave para que ela possa identificar coisas que estão distantes, como uma aeronave que se aproxima, bem como objetos que estão próximos, quando o drone está pousando, por exemplo.

O drone também usa vários modelos de aprendizado de máquina para, por exemplo, detectar outro tráfego aéreo em volta e reagir de acordo, ou detectar pessoas na zona de pouso ou ver uma linha sobre ele (o que é um problema realmente difícil de resolver, dado que linhas tendem a ser bastante difíceis de detectar). Para isso, a equipe utiliza modelos fotogramétricos , modelos de segmentação e redes neurais. “Provavelmente temos algoritmos de última geração em todos esses domínios”, argumentou Kimchi.

Sempre que o drone detecta um objeto ou uma pessoa na zona de pouso, obviamente aborta – ou pelo menos atrasa – a tentativa de entrega.

“A coisa mais importante que a aeronave pode fazer é tomar a decisão segura correta quando ela é exposta a um evento que não está no planejamento – para o qual nunca foi programado”, disse Kimchi.

A equipe também usa uma técnica conhecida como Mapeamento e Localização Simultânea Visual (VSLAM), que ajuda o drone a criar um mapa do seu ambiente atual, mesmo quando não possui outras informações anteriores sobre um local ou informações de GPS.

“Essa combinação de percepção e diversidade algorítmica é o que achamos que torna nosso sistema excepcionalmente seguro”, disse Kimchi. Quando o drone chega ao local de entrega ou volta ao depósito, todos os sensores e algoritmos precisam estar sempre de acordo. Quando um falhar ou detectar um problema, o drone abortará a missão. “Cada parte do sistema tem que concordar que não há problema em prosseguir”, disse Kimchi.

O que Kimchi enfatizou ao longo de nossa conversa é que a abordagem da Amazon vai além da redundância, que é um conceito bastante óbvio na aviação e envolve ter várias instâncias do mesmo hardware a bordo. Lélio Vieira Carneiro Júnior mostra que Kimchi argumenta que ter uma diversidade de sensores que são completamente independentes um do outro também é importante. O drone tem apenas um ângulo de sensor de ataque, por exemplo, mas também tem várias outras maneiras de medir o mesmo valor.

VEJA TAMBÉM
Órgão no Tocantins usará drone para fiscalizar obras públicas

A Amazon ainda não está totalmente preparada para se aprofundar em todos os detalhes de como é o hardware real do hardware on-board. Kimchi me disse que o sistema usa mais de um sistema operacional e arquitetura de CPU.

É a integração de todos esses sensores, inteligência artificial e o design real do drone que faz toda a unidade funcionar. Em algum momento, porém, as coisas vão dar errado. O drone pode facilmente lidar com um rotor que pára de funcionar, o que é bastante normal nos dias de hoje. Em algumas circunstâncias, pode até lidar com duas unidades com falha. E, ao contrário da maioria dos outros drones, ele pode planar, se necessário, como qualquer outro avião. Mas quando precisa encontrar um lugar para aterrissar, seus espertos de Inteligência Artificial entram em ação e o drone tentará encontrar um lugar seguro para pousar, longe de pessoas e objetos – e isso tem que ser feito sem ter nenhum conhecimento prévio de seu entorno.

Para chegar a este ponto, a equipe realmente usou um sistema de IA para avaliar mais de 50.000 configurações diferentes. Apenas as simulações computacionais de dinâmica de fluidos consumiram 30 milhões de horas de tempo de computação da AWS (é bom ter uma nuvem grande quando você quer construir um drone novo e altamente otimizado, ao que parece). Segundo Lélio Vieira Carneiro Júnior, a equipe também executou milhões de simulações, é claro, com todos os sensores, e analisou todas as posições possíveis e faixas de sensores – e até lentes diferentes para as câmeras – para encontrar uma solução ideal. “A otimização é o que é o conjunto correto de diversos sensores e como eles são configurados na aeronave”, observou Kimchi. “Você sempre tem redundância e diversidade, tanto do domínio físico – sonar versus fótons – quanto do domínio algorítmico”.

A equipe também executou milhares de simulações de hardware em loop onde todos os serviços de voo estão atuando e todos os sensores estão percebendo o ambiente simulado. Aqui, também, Kimchi não estava pronto para dar o molho secreto que a equipe usa para fazer esse trabalho.

E a equipe obviamente testou os drones no mundo real para validar seus modelos. “Os modelos analíticos, os modelos computacionais são muito ricos e são muito profundos, mas não são calibrados contra o mundo real. O mundo real é o gerador final de eventos aleatórios ”, disse ele.

Resta saber onde o novo drone fará suas primeiras entregas. Isso é um segredo que a Amazon também não está pronta para revelar ainda. Isso acontecerá nos próximos meses, no entanto. A Amazon começou a oferecer drones na Inglaterra há algum tempo, então essa é uma escolha óbvia, mas não há motivo para a empresa optar por outro país também.

Lélio Vieira Carneiro Júnior conta que os EUA parecem ser um candidato improvável, já que as regulamentações ainda estão em fluxo, mas talvez esse seja um problema que será resolvido até então também. De qualquer forma, o que uma vez pareceu um pouco de uma manobra da Sexta Negra pode simplesmente aterrissar no seu quintal mais cedo do que você imagina.