Da redação JM

Presidente escolheu o pastor reverendo Milton Ribeiro, da Igreja Presbiteriana de Santos, para integrar a Comissão

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) escolheu o doutor e pastor presbiteriano reverendo Milton Ribeiro, da Igreja Presbiteriana de Santos, para integrar a Comissão de Ética Pública da Presidência. É a 1ª indicação de Bolsonaro ao colegiado, que tem como função investigar ministros e servidores.

A mídia, como sempre, cita na chamada somente o fato do Dr. Milton Ribeiro ser pastor e omite todo seu currículo que o torna apto ao cargo, e não somente por ser “pastor”.

A Anajure emitiu nota em defesa da nomeação do pastor e destacou seu rico currículo.

Ao referir-se ao Dr. Milton Ribeiro simplesmente como “pastor” e “evangélico”, em tom notadamente preconceituoso, o Portal busca induzir nos leitores o entendimento de que a indicação do Dr. Ribeiro se baseia unicamente no fato de ser pastor evangélico, sendo essa a única qualificação funcional mencionada na matéria. Não que essa atividade tenha, em si, qualquer demérito, mas, por se tratar da indicação para uma função técnica e pública, é necessário mencionar as suas aptidões acadêmicas e experiência profissional, que indubitavelmente o qualificam para o exercício do cargo, mas que, em momento algum, foram mencionadas. Assim, fazemos questão de esclarecer – e nisto fundamentados a afirmação anterior – que o Dr. Ribeiro, dentre outras qualificações, é Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP), Mestre em Direito Constitucional pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, Advogado, Membro da Comissão de Ética e Compliance do Instituto Presbiteriano Mackenzie, foi reitor e atualmente é Membro do Conselho Deliberativo da Universidade Presbiteriana Mackenzie, além de Membro do Conselho Deliberativo da Santa Casa de Santos.“, diz parte da nota.

VEJA TAMBÉM
Bolsonaro exalta Cristo durante celebração da Páscoa no Planalto: "Enviado para nos salvar"

O pastor tomou posse na Comissão –que foi criada em 1999 para apurar a atuação de membros da administração pública federal e identificar possíveis conflitos de interesse– em 21 de maio. A informação é do jornal O Estado de S. Paulo.

+ Bolsonaro participará da festa dos 108 anos da Assembleia de Deus no Brasil

+ Bolsonaro cogita ministro evangélico para o STF: “não está na hora?”

O pastor tem mandato de 3 anos, podendo cumprir mais 3. A comissão é formada por 7 advogados, dos quais 6 foram indicados pelo ex-presidente Michel Temer que, em janeiro de 2018, tinha 14 dos seus 28 ministros sendo alvo de processos do grupo. O colegiado não pode punir servidores e ministros, podendo apenas recomendar exonerações ou aplicar sanções administrativas.

Quando assumiu a Casa Civil, o ministro Onyx Lorenzoni demitiu 16 dos 17 servidores que trabalhavam na Comissão, gerando a paralisação das atividades. O objetivo era “despetizar” o governo. Os conselheiros, então, intercederam junto ao presidente para a recontratação.

(Com Poder 360)