Da redação

Os ataques contra igrejas e cristãos têm vindo a aumentar no Burkina Faso. ©RFI/Jean-Luc Aplogan

Pelo menos 19 cristãos foram mortos em um ataque em 9 de junho no vilarejo de Arbinda, no norte da África, em Burkina Fasoinformaram os relatórios da AFP . 

Segundo fontes do Fundo Barnabé , o número de mortos pode chegar a 29, já que mais 10 pessoas foram assassinadas na província vizinha de Namentenga no dia seguinte.

“Não há mais cristãos nesta cidade (Arbinda)”, disse uma fonte do Fundo Barnabé. Ele acrescentou que 19 pessoas foram mortas e que toda a população de cristãos fugiu para sua segurança.

“Está provado que eles estavam procurando por cristãos”, continuou a fonte. “Famílias que escondem cristãos são mortas. Arbinda perdeu no total não menos de 100 pessoas em seis meses.”

“Várias dezenas de homens armados realizaram um ataque ao distrito de Arbinda, matando várias pessoas”, disse um funcionário à AFP. 

Fontes locais do Fundo Barnabus revelaram que 82 pastores e 1.145 cristãos de 151 famílias estavam fugindo de diferentes locais na parte norte do país. 

VEJA TAMBÉM
Bispos metodistas da África reafirmam postura da Igreja contra o casamento gay e opõem-se ao cisma

+ Atentado contra igreja mata seis cristãos em Burkina Faso

+ Atiradores matam pastor e fieis durante culto em Burkina Fasso

+ Onda de violência islâmica deixa 62 mortos em Burkina Faso

Os ataques começaram em abril, na cidade de Silgadji, quando militantes islâmicos seguraram um pastor, seu filho e quatro da congregação do pastor sob a mira de uma arma. Eles exigiram que os seis negassem sua fé cristã e se convertessem ao islamismo. Quando eles se recusaram, todo o grupo foi executado . 

Mais de 400 pessoas foram mortas na violência desde 2015, segundo a AFP. 

O governo da França, o antigo governante colonial do país, mobilizou 4.500 soldados em Maili, Burkina Faso, Níger e Chade. Sua missão de codinome Barkhane pretende ajudar as forças locais a lidar com os jihadistas islâmicos.

O Burkina Faso também se uniu a quatro outras nações africanas (Chade, Mali, Mauritânia e Níger) para criar uma força antiterror de 5.000 soldados também apoiados pela França. 

(Com AFP e Agências)