Da redação JM

O presidente Jair Bolsonaro voltou a sugerir a indicação de um evangélico para ministro do Supremo Tribunal Federal na noite desta quinta-feira, 13, ao comentar a decisão do STF de enquadrar a homofobia e a transfobia como racismo.

“O Estado é laico, mas somos cristãos. Respeitamos a maioria e minoria, mas o Brasil é um País cristão”, disse Bolsonaro, para em seguida complementar: “Com todo respeito, o Supremo Tribunal Federal tipificou a homofobia como se racismo fosse. Será que não está na hora de um evangélico no Supremo?”

+ Pastor Dr. Milton Ribeiro é nomeado por Bolsonaro para Comissão de Ética da Presidência

A afirmação foi feita em discurso no evento de comemoração dos 108 anos da Assembleia de Deus, em Belém (PA). Bolsonaro subiu ao palco ao lado dos pastores e foi ovacionado pelos fieis. Também estavam no palco políticos locais.

É segunda vez que Bolsonaro  sugeriu a indicação de um ministro do STF evangélico ao fazer comentários sobre a discussão no STF da criminalização da homofobia. Na primeira ocasião, em 31 de maio, ele participava da Convenção Nacional das Assembleias de Deus Madureira, em Goiânia. 

VEJA TAMBÉM
Bolsonaro: imprensa é essencial para ‘chama da democracia’ não apagar

Ele disse: “Não me venha a imprensa dizer que eu quero misturar a Justiça com a religião. Todos nós temos uma religião ou não temos. Respeitamos e tem que respeitar. Será que não está na hora de termos um ministro do Supremo Tribunal Federal evangélico?”, perguntou.

Assista: