Da redação JM

O presidente Jair Bolsonaro voltou a sugerir a indicação de um evangélico para ministro do Supremo Tribunal Federal na noite desta quinta-feira, 13, ao comentar a decisão do STF de enquadrar a homofobia e a transfobia como racismo.

“O Estado é laico, mas somos cristãos. Respeitamos a maioria e minoria, mas o Brasil é um País cristão”, disse Bolsonaro, para em seguida complementar: “Com todo respeito, o Supremo Tribunal Federal tipificou a homofobia como se racismo fosse. Será que não está na hora de um evangélico no Supremo?”

+ Pastor Dr. Milton Ribeiro é nomeado por Bolsonaro para Comissão de Ética da Presidência

A afirmação foi feita em discurso no evento de comemoração dos 108 anos da Assembleia de Deus, em Belém (PA). Bolsonaro subiu ao palco ao lado dos pastores e foi ovacionado pelos fieis. Também estavam no palco políticos locais.

É segunda vez que Bolsonaro  sugeriu a indicação de um ministro do STF evangélico ao fazer comentários sobre a discussão no STF da criminalização da homofobia. Na primeira ocasião, em 31 de maio, ele participava da Convenção Nacional das Assembleias de Deus Madureira, em Goiânia. 

VEJA TAMBÉM
Com Davi Sacer e Sidney Almeida, campanha Vau de Jaboque começa em Palmas neste domingo, 10

Ele disse: “Não me venha a imprensa dizer que eu quero misturar a Justiça com a religião. Todos nós temos uma religião ou não temos. Respeitamos e tem que respeitar. Será que não está na hora de termos um ministro do Supremo Tribunal Federal evangélico?”, perguntou.

Assista: