Redação JM Notícia

Eli Borges (SD-TO)

Nesta sexta-feira (14), o deputado federal Eli Borges (SD-TO) fez um pronunciamento a respeito da perseguição religiosa no mundo. Ele usou dados do ministério Portas Abertas que registrou mais de 245 milhões cristãos perseguidos no ano de 2018.

“Os dados são estarrecedores”, declarou o parlamentar. “Um a cada nove cristãos é perseguido. Houve um aumento de 29% dos casos de assassinatos, 4.030 pessoas perderam a vida por defenderem sua fé cristã”, continuou.

Ainda segundo dados do Portas Abertas, dos 245 milhões de cristãos que vivem em países hostis à sua fé, mais de 14% são presos ou mortos por regimes autoritários.

“Quero registrar nessa sessão histórica, que neste Brasil, através do ministro das Relações Exteriores, se comprometeu a levantar essas questões a nível de organizações externacionais”, revelou. Eli Borges se referindo ao compromisso assumido pelo ministro Ernesto Araújo diante dos parlamentares da Bancada Evangélica.

“É lamentável percebemos esse ódio de países que vêm ao Brasil, que trazem suas crenças e suas práticas religiosas, que trabalham nas questões econômicas e vivem a nossa democracia, mas quando vamos para esses países, somos hostilizados, os nossos missionários, nossos irmãos [perseguidos]. É preciso levar em conta esse respeito à vida”, continuou o parlamentar tocantinense.

VEJA TAMBÉM
Câmara quase vota projeto que prevê como meta a legalização do aborto no Brasil

Saiba + “Países que defendem a morte de cristãos não podem ter relações com o Brasil”, diz Otoni de Paula

Saiba + “As igrejas acolhem mais os homossexuais que os grupos LGBT”, diz Eli Borges

Saiba + Terroristas do Boko Haram ameaçam cristãos no Níger: ‘saiam ou morram’

Eli Borges se mostrou preocupado porque esses números de perseguição estão crescendo ano após ano, ele cita o número de templos destruídos como exemplo. Em 2017 foram mais de 780 templos destruídos e em 2018 foram 1.847. “Nós precisamos fazer um bom combate. A liberdade religiosa deve ser uma prática permanente, não só no Brasil, mas em todo o mundo”, revelou.