A época do ano das festas juninas está chegando, e, com ela, é hora de se reunir com os amigos, se vestir de “caipira” e ir dançar as famosas quadrilhas. Claro, tudo com bastante canjica grossa e outros alimentos típicos das comemorações, mas, você sabe qual a origem disso tudo?

A origem pagã

As festas juninas atuais tem um certo teor cristão nas mesmas, veja bem, a quadrilha tem um noivo, noiva e um padre para celebrar o casamento. Além disso, é comum que se façam as festividades no dia da festa de Santo Antônio, logo, várias pessoas podem erroneamente acreditar que a Igreja Católica fundou a festa junina.

Na verdade, festividades durante o mês de junho são mais antigas que a própria igreja. No hemisfério norte nós temos o maior dia e a menor noite em junho, e, naturalmente, os povos antigos associavam esta data à um importante evento astrológico, logo, festividades com bastante fartura eram comuns nessa época do ano.

Estas festas viraram tradição e foram feitas por muito tempo na Europa, onde a Igreja condenava essas práticas mas não tinha forças para impedi-las. E, como o antigo ditado popular já diz: “se não pode com eles, junte-se à eles”. Ao invés de continuar lutando contra a tradição, a Igreja preferiu alinhar as festas de Santo Antônio, São João Batista e São Pedro à estas datas. Alguns pastores evangélicos estão tentando lutar contra a instituição das festas juninas evangélicas, claro, o futuro dirá se eles conseguiram lutar contra a tradição.

VEJA TAMBÉM
Polícia encoraja fieis se armarem para reagirem a ataques

Quando os europeus, em especial os portugueses, vieram para o Brasil, eles trouxeram essas tradições. Mas o curioso é que os índios já tinham seu próprio calendário para o mês de junho e, por incrível que pareça, também já haviam festividades na mesma época do ano. No caso dos habitantes nativos do Brasil, as festas eram ligadas à agricultura e tinham muita fartura, música e danças. E, assim, surgiu a festa junina moderna composta pela quadrilha e pelas novenas, de origem europeia. A fartura e as comidas típicas, que relembram os costumes indígenas.

E com isso, temos estas festas que alegram toda a família, já que as crianças podem ir dançar ou simplesmente saborear as diversas guloseimas que são vendidas. Enquanto os pais aproveitam para relaxar e, em alguns casos, tentar a sorte nas barracas de jogos típicos, como pescaria, tiro ao alvo, bingo, entre outros. Claro, o frio típico desta época do ano pode ser um empecilho para os que preferem ficar debaixo das cobertas. Se for o seu caso, então o bingo ainda é garantido já que você pode contar com sites com cartela de bingo grátis e jogar diretamente do computador ou celular, de uma forma bem divertida e interativa.

VEJA TAMBÉM
Pastores excêntricos da África estão chamando atenção nas redes sociais

As maiores festas juninas do Brasil

Toda cidade tem algum tipo de festividade nesta época do ano, mas, assim como algumas cidades são conhecidas pelo seu Carnaval, o mesmo vale para as festas juninas. Atualmente a festa maior do país é a de São João de Campina Grande, que ocorre no estado de Paraíba. São 30 dias de festa seguidos com campeonato de quadrilhas, casamentos coletivos, shows de MPB e muita gente animada. É comum que as festas recebam mais de 2 milhões de participantes ao longo do mês.

Outra festa muito popular ocorre no Maranhão, é a Bumba-meu-Boi, esta festa é ótima pois mostra claramente a mistura de culturas. O começo é no dia de Santo Antônio, 13 de junho e o fim é no dia de São Marçal, 30 do mesmo mês, ou seja, vemos a influência da igreja católica nas datas de começo e fim. Mas as festas em si celebram detalhes do período da escravidão como os contos da escrava Catirina e as danças típicas do Tambor de Crioula e a Dança do Lelê.