Da redação

A delegada Barbara Lomba – titular da Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo – detalhou, na manhã desta sexta-feira (21), a investigação sobre o assassinato do pastor Anderson do Carmo. O marido da deputada Flordelis (PSD) foi morto a tiros na madrugada do último domingo (16).

De acordo com a delegada, ainda não foi esclarecido como aconteceu a execução e o que motivou o crime. “Não está esclarecida se a execução aconteceu daquela forma que foi narrada, se são só essas pessoas envolvidas, então, muita coisa ainda está indefinida. São muitas motivações possíveis, pode ser mais de uma. E não está comprovada a relação extraconjugal”, explicou Lomba, ressaltando que, apesar de um dos filhos ter admitido ter efetuado disparos, apenas a confissão não é suficiente para definir a causa do crime.

+ Advogada deixa o caso após filho confessar ter matado o pastor Anderson do Carmo

+ Flordelis: Filho admite ter dado seis tiros em Anderson do Carmo, diz Polícia

+ Filho confessa assassinato do pastor Anderson do Carmo, diz polícia

VEJA TAMBÉM
Quatro cantoras evangélicas tentarão vagas como deputadas federais e estaduais em 2018

Dois filhos da parlamentar – Lucas dos Santos, de 18 anos, e Flávio dos Santos, 38 – estão presos por suspeita de envolvimento na morte do pastor. De acordo com o laudo da necropsia, o corpo de Anderson tinha 30 perfurações.

De acordo com Lomba, é praticamente certo que a arma encontrada na casa da deputada foi a utilizada no crime. “Temos participação segura, pelo menos em alguma medida dos dois presos – o Lucas na compra da arma e o Flávio a execução do crime. Precisamos concluir o laudo pericial, mas a indicação de que a pistola que encontramos na casa para se cometer o crime é praticamente certa”.

(Com G1)