Turma da Mônica terá personagem homossexual

Psicóloga Marisa Lobo pede aos pais que tomem cuidado com este tipo de material

0

Redação JM Notícia

Turma da Mônica (Foto: Divulgação)

A Turma da Mônica ganhará um personagem homossexual, a notícia foi bem recebida pela comunidade LGBTQA+ que comemorou a representatividade que o desenho dará à comunidade.

“Há uns bons anos que a gente fala muito sobre a criação de diversos personagens e o personagem gay é um deles”, contou Mauro de Sousa, filho de Maurício de Souza e diretor de espetáculos, parques e eventos da Mauricio de Sousa Produções.

Em entrevista à revista Marie Clarie, Souza falou que a empresa tem o respeito às diferenças, à diversidade, à amizade, ao amor como um de seus valores. “Há 60 anos é assim, e falar sobre personagem gay, para mim, é muito importante, assim como ter outros personagens com outras características”, acrescentou.

Mauro é homossexual e está namorando Rafael Piccin, o direitor da MSP diz que se viu como homossexual já aos 12 anos e aos 18 contou para a mãe e, depois, para toda a família que lhe deu apoio.

A criação do personagem gay no desenho infantil terá a história de Mauro como inspiração, mas hainda não há detalhes sobre o personagem. “A gente não tem nenhuma característica dele, não sabemos em qual turma ele vai entrar porque lembrando que a Turma da Mônica não é só a clássica, a gente tem diversas turmas, como a Turma da Mônica Jovem, a Geração 12 que vai chegar agora, a Turma da Tina, tem os pais dos personagens… Pretendemos colocar esse personagem no melhor contexto, da maneira mais correta e respeitosa possível. Está em processo de criação, de aprendizagem e entendimento, será em breve”, destacou.

VEJA TAMBÉM
Marisa Lobo entrevista Miguel Nagib, autor do projeto Escola Sem Partido

Marisa Lobo comenta o caso

Para a psicóloga Marisa Lobo, a exposição de temas como a homossexualidade para crianças pode surgir efeitos prejudiciais à formação psíquica delas.

“Nossas crianças precisam de vocês pais, só a família pode impedir que seus filhos sejam doutrinados pela revista em quadrinhos. Escolha o que seus filhos podem ver, se são pequeninos essa leitura vai confundir a mente deles, confundir sua identidade”, disse ela ao JM Notícia.