Da redação JM

Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo,

Recentemente, no dia 21 de junho, o Secretário de Estado dos EUA, Pompeo, divulgou o Relatório Anual de 2018 sobre Liberdade Religiosa Internacional. O relatório destacou alguns dos sucessos para a liberdade religiosa do ano passado, como o lançamento do pastor Andrew Brunson, da Turquia, e de Asia Bibi, do Paquistão. Mas também apontou para a crescente perseguição de crentes em países como a China, o Irã, a Eritreia e outros lugares.

“Ninguém deve ser perseguido por causa de sua fé. Este relatório mais recente revela que embora tenha havido um punhado de sucessos pela liberdade religiosa no ano passado, os desafios continuam a crescer em todo o mundo. Encorajamos todos os governos e organizações internacionais a continuar estabelecendo padrões internacionais quando se trata de proteger e promover a liberdade religiosa internacional “, disse Kelsey Zorzi, Diretor de Advocacy for Global Religious Freedom da ADF International.

Perseguição religiosa é uma ameaça global significativa

De acordo com o relatório dos EUA, bem como relatórios recentes de outros governos, a perseguição religiosa está globalmente em ascensão. Quase 80% da população mundial vive em áreas onde o direito à liberdade religiosa é altamente restrito.

VEJA TAMBÉM
Nos EUA, faculdade evangélica permite namoro gay no campus e gera polêmica

Alguns países mostraram melhorias. O secretário Pompeo observou que o Uzbequistão, pela primeira vez em 13 anos, não era mais designado como “País de preocupação particular” – um termo que se refere a países que cometeram “violações sistemáticas, contínuas e notórias da liberdade religiosa”.

Alguns países de particular interesse

Outros países continuaram ou até aumentaram sua perseguição contra as minorias religiosas e, principalmente, contra os cristãos. Apesar da absolvição e libertação definitiva de Asia Bibi depois de ter sido considerado culpado de blasfêmia, o Paquistão foi transferido de uma lista de vigilância especial para um país de preocupação particular. Mais de 40 indivíduos ainda enfrentam pena de morte ou prisão perpétua por blasfêmia no Paquistão.

O secretário Pompeo descreveu a “intensa perseguição” da China aos cristãos, muçulmanos uigures, Falun Gong e budistas tibetanos como “a norma”. A “repressão do Irã contra os bahá’ís, cristãos e outros continua a chocar a consciência”.

“Todo mundo tem uma participação na luta”

“Não vamos parar até vermos a cortina de ferro da perseguição religiosa cair”, disse Sam Brownback, embaixador-geral dos EUA para a Liberdade Religiosa Internacional. Ao mesmo tempo, os Estados Unidos não podiam garantir a liberdade religiosa sozinhos, ele continuou: “precisamos da ajuda de todos; todos têm interesse na luta”.

VEJA TAMBÉM
Bolsonaro celebra independência dos EUA em embaixada no Brasil

A divulgação do Relatório Anual de 2018 ocorre menos de um mês antes de o Departamento de Estado sediar a segunda reunião ministerial anual para promover a liberdade religiosa em Washington, DC.

Cristãos perseguidos

Nos últimos tempos tem se alertado para o fato de que os cristãos são os mais perseguidos em todo o mundo e que muitos líderes e ongs que acompanham chamam a atenção para um verdadeiro genocídio contra este grupo.

Mesmo assim, grande parte dos governos mundiais e da mídia silencia convenientemente diante da tal fato.

+ Cristãos nigerianos descrevem os horrores da perseguição: “Há um genocídio acontecendo”

+ Por que o genocídio de cristãos é amplamente ignorado pela mídia?

+ EUA denunciam ‘genocídio’ de cristãos pelo Estado Islâmico