Enem 2020: participantes poderão responder provas digitais

A próxima edição do Exame Nacional do Ensino Médio, que será aplicado em 2020, terá mais novidades para os participantes. Isto porque o projeto piloto Enem Digital foi anunciado nesta quarta-feira (3), em coletiva de imprensa realizada em Brasília pelo Ministério da Educação (MEC) e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), com a presença dos respectivos gestores, Alexandre Lopes e Abraham Weintraub.

Em 2020, a aplicação do exame digital será opcional e caberá ao estudante escolher esta modalidade no ato da inscrição. “A ideia é que a gente possa fazer, por via digital, usando computadores, a realização do Enem várias vezes ao ano, por agendamento. No futuro, o estudante vai escolher a cidade e a escola onde fará a prova, o dia e irá marcar onde irá fazer a prova”, destaca Alexandre Lopes.

A previsão é que 50 mil alunos realizem o Enem Digital, em 15 capitais brasileiras. Serão 20 questões objetivas, apresentadas de forma randômica para os participantes, aplicadas nos dias 11 e 18 de outubro de 2020. Já as provas regulares do Exame Nacional do Ensino Médio, em papel, serão aplicadas em 1º e 8 e novembro.

VEJA TAMBÉM
Vereador denuncia pontos precários na educação de Palmas

Lopes destaca que o aluno que optar pelo modelo eletrônico não será prejudicado caso haja erros durante o processo. “Se houver algum problema de logística na realização, se o computador der problema ou ele não conseguir fazer a prova por algum motivo, ele será redirecionado para o Enem Reaplicação”, sinaliza. Neste último caso, as provas acontecem em dezembro. 

A meta é que o exame seja integralmente digital até 2026, com quatro edições diferentes ao longo do ano, mas haverá a aplicação das provas regulares em papel até o final do período citado. Também será mantido o formato analógico até 2026 para as pessoas que cumprem penas privativas de liberdade (Enem PPL) e também para quem fará a reaplicação.  Já em 2027, a transição estará completa e as avaliações serão feitas integralmente em caráter eletrônico.

Taxa de inscrição e segurança

O presidente do Inep sinaliza que não haverá variação no valor da inscrição entre as provas realizadas em papel e as digitais. E, assim como a aplicação, a identificação do candidato já será realizada de forma eletrônica.

VEJA TAMBÉM
Edir Macedo diz que mulher não pode ter mais estudo que seu marido

Um outro ponto que pode gerar preocupação entre participantes e aplicadores é questão da segurança. Os gestores sinalizaram que há um termo de cooperação firmado com a Polícia Federal para garantir a lisura do processo. “A preocupação maior era que alguém entrasse no computador e fizesse a prova por outra pessoa. Hoje, achamos que a segurança tecnológica que o Brasil tem nos permite fazer isso [a prova digital]. E só a última etapa da aplicação é analógica”, afirma o ministro da Educação.

Redução de custo

Atualmente, são gastos R$ 500 milhões com uma única aplicação do exame. A adoção do Enem Digital já no ano que vem prevê, além disso, um gasto de R$ R$ 20 milhões em implementação e aplicação. “Com a ampliação da escala e a melhoria da infraestrutura, esse custo vai cair. A expectativa é que é que ele baixe em relação ao que é gasto hoje em papel”, destaca o presidente do Inep.

Tunísia Cores – Agência Educa Mais Brasil