Da redação

Longe da batalha em Washington pelo financiamento humanitário para a crise da fronteira, os crentes em ambos os lados do Rio Grande estão se unindo para cuidar de milhares de pedidos de asilo que esperam uma maneira legal para entrar nos Estados Unidos.

Em El Paso, Sami DiPasquale, diretor executivo da New Town, um centro de apoio da comunidade baseada na fé, diz que 30 igrejas locais se juntaram nos últimos meses para servir até 1.000 novos imigrantes divulgados pelo Bureau de Imigração e Alfândega dos Estados Unidos (ICE) todos os dias. “Eles foram anfitriões, eles doaram materiais, ativaram suas denominações”, disse DiPasquale.

+ Guerras: quase 71 milhões de pessoas foram forçadas a deixar seus lares em 2018

Tiny El Elyon, uma congregação de bairro em El Paso, recebeu 70 migrantes todas as noites durante meses.

Mas em meados de junho, El Elyon e outros abrigos aqui abruptamente aprenderam que o ICE não deixaria mais migrantes na porta de sua casa, como havia sido o padrão diário.

“Costumávamos fazer isso todos os dias, sete dias por semana”, disse o pastor Maribel Velázquez. “Ele sempre dependeu do Senhor e disse: ‘Senhor, o que você quer que eu faça? É uma multidão que precisa de nós'”.

Os líderes religiosos de El Paso acreditam que a nova política do Presidente Trump de “Ficar no México” pode ser a razão pela qual a El Paso está recebendo apenas algumas centenas de imigrantes por dia. A política encorajou a polícia mexicana a dissuadir os imigrantes de entrarem na fronteira sul do país e de tentar cruzar a fronteira entre os Estados Unidos e o México. Também levou as autoridades dos EUA a enviarem requerentes de asilo de volta ao México para aguardarem suas audiências no tribunal de imigração.

VEJA TAMBÉM
Vídeo: Deputada sabe do assassinato da filha durante sessão na Câmara; assista

Os líderes do Conselho de Imigração Evangélica (EIT) visitaram a fronteira de El Paso no último fim de semana em uma visita patrocinada pelo National Immigration Forum , um grupo de especialistas de Washington, DC.

O EIT inclui denominações de liderança como Batistas do Sul, Wesleyanos e Assembléias de Deus. As principais organizações religiosas sem fins lucrativos, como a World Vision , a World Relief e a Bethany Christian Services , também estão ativas.

A delegação do EIT participou com uma vasta gama de grupos em El Paso, incluindo a Patrulha da Fronteira, o Hope Border Institute e a Annunciation House , um grupo religioso que serve os imigrantes na fronteira.

A delegação esperava receber em primeira mão a multidão de migrantes que cruzou a fronteira e procurou refúgio temporário em abrigos religiosos. Em vez disso, testemunhou um ponto de virada quando os ministérios de El Paso começaram a perceber que não podiam mais atender diretamente aos imigrantes na escala de emergência à qual estavam acostumados.

VEJA TAMBÉM
Moldávia anuncia transferência de embaixada para Jerusalém

DiPasquale diz que esses ministérios estão agora voltando sua atenção para as igrejas em Juarez, sua cidade irmã no México. “Nossa intenção é mudar os esforços e sermos capazes de apoiar os esforços através da fronteira”, disse ele.

Os membros da delegação disseram que esperam EIT comunicar com os crentes em todo o país sobre as necessidades dramáticas na fronteira, mesmo quando as políticas e padrões de migração continuam fluindo e fluindo.

“O que sabemos sobre essa situação é que ela é fluida, está mudando o tempo todo”, disse o presidente da World Relief , Scott Arbeiter. “Agora ele está recuando, vamos ver o que acontece.”

Arbeiter disse que espera que as igrejas em todo o país não sintam falta deste momento único para ministrar.

“Deus está nos chamando para entrar em uma lacuna. A diferença não pode ser preenchido pela Patrulha de Fronteira, e eles reconhecem isso. Eles não podem ser preenchidos pelo governo dos Estados Unidos, e eles reconhecem isso. As igrejas estão entrando com essa necessidade desesperada”, disse ele.

Ciudad Nueva estabeleceu um link na Amazon para aqueles que desejam contribuir com suprimentos de emergência para abrigos religiosos em ambos os lados da fronteira.

(Com CBN)