Da redação JM

Pastores enfrentam crises mentais com a fuga do membros do cultos nas igrejas. Foto: Reprodução

Um mal visto em muitos lugares do Brasil e no mundo – a diminuição da presença dos fieis no cultos – tem gerado desequilíbrio emocional no líderes evangélicos. Igrejas que em outro tempo eram bem frequentadas, do nada começaram a ver seus fieis fugirem das reuniões de oração e dos cultos.

Esse tema está na pauta da reunião anual da  Global United Fellowship, que começará no dia 9 de julho no Atlantis Resort, nas Bahamas, nesta terça-feira. A plenária vai tratar da discussão sobre o que faz uma igreja saudável.

Para o líder da convenção, Bispo Presidente Neil C. Ellis, haverá foco em como o declínio da freqüência à igreja tem causado turbulência mental para os pastores em todo o mundo.

“Primeiro de tudo, temos que proteger as emoções dos nossos líderes da igreja. Houve um declínio global na freqüência à igreja nos últimos cinco a sete anos. E assim, muitos pastores agora estão ficando deprimidos porque seus números são menores”, disse Ellis ao site cristão americano The Christian Post em uma entrevista na semana passada.

+ Cerca de 300 milhões de pessoas no mundo sofrem de depressão, segundo dados da OMS

+ Encontro da Ordem dos Pastores Batistas aponta medidas contra depressão

“Uma das coisas que temos que olhar quando falamos de uma igreja saudável é o tamanho, porque tudo que é grande não é maduro. E tudo que é cultivado não está totalmente desenvolvido. Você poderia ser grande e insalubre, você poderia ser menor e mais saudável. (…) Temos que nos certificar de que mais e mais pastores não estejam se tornando deprimidos porque estão vendo um declínio ”, disse Ellis, que é autor e líder da Igreja Batista Mount Tabor, nas Bahamas, onde a sede da GUF está sediada.

VEJA TAMBÉM
Pastores querem a derrubada de veto que inviabiliza a abertura de novos templos em Palmas
Bispo Presidente da Global United Fellowship, Neil C. Ellis. | Facebook

Lançada em outubro de 2013 sob a liderança de Ellis, a GUF cresceu de um grupo de 41 para mais de 1.400 igrejas em 42 países hoje. 

O mandato de cinco frentes da GUF para unir igrejas; equipar líderes; melhorar casamentos; Ressuscitar a disciplina da oração que está morrendo e construir relações de aliança entre os líderes da igreja foi estrategicamente desenvolvido para responder às necessidades em evolução dos pastores em uma cultura que está rapidamente introduzindo novos desafios.

Cada vez mais, explica Ellis, o relacionamento entre os pastores é cada vez mais um ingrediente importante para ajudá-los a permanecer saudáveis.

“Há muitos pastores no ministério que são pessoas muito solitárias. Eles podem estar fazendo um bom trabalho, eles podem estar pastoreando uma grande igreja, mas são solitários. E assim eles têm uma imagem pública maravilhosa e uma vida privada prejudicial. [Eles] pregam alguns dos maiores sermões e vão para casa e querem morrer ”, explicou Ellis. “E isso também veio como resultado de muita dor, muita dor e muita desilusão e desapontamento que eles tiveram de outras relações com o clero. Alguns que já trabalharam com pastores foram maltratados e desiludidos ”.

“Os pastores anseiam por relacionamentos reais e quando falamos sobre relacionamentos de aliança, é sobre isso que estamos falando”, acrescentou.

Nova Igreja Batista Missionária do Nascimento – O Pastor Jamal Bryant reage a um momento no encontro de 2018 da Global United Fellowship. | Facebook

Testemunhos

“Fizemos uma conferência pastoral há dois anos, e uma das coisas que fizemos na conferência foi que trouxemos três psicólogos cristãos. Cada um deles foi convidado durante o período de três dias para ver um mínimo de 20 pastores. Para você marcar uma consulta com o psicólogo, tudo o que você tinha era um número ”, explicou ele.

VEJA TAMBÉM
Câmara de Palmas aprova “imunidade” para templos religiosos

“No final do dia, tivemos três pastores que se levantaram publicamente diante do grupo e disseram: ‘Eu estava pensando em suicídio’. Agora, isso intensificou meu desejo de realmente empurrar toda essa questão do relacionamento de aliança entre os irmãos, porque eu acredito que ninguém que tenha cometido suicídio, se eles estivessem em relação de aliança, eu não acredito que isso teria acontecido ”, disse ele.

O Encontro da GUF será realizado de 9 a 12 de julho e mais de 1.700 pessoas deverão viajar para as Bahamas para o evento, que deverá atrair 3.500 participantes de ministérios localizados nos EUA, Bahamas, Paquistão, Inglaterra, África do Sul. , Gana, Cuba, Haiti, Filipinas e outros países.

“Acredito que a Igreja, o Corpo de Cristo, não ora mais hoje como orou há 30 anos. Consequentemente, estamos vendo igrejas com menos poder e menos influência. Quando você remove a alma da igreja – que é a oração porque é o que Jesus disse que eu quero que seja conhecido – quando você remove a essência da igreja ou a reduz, você remove ou diminui o poder e influência que essa igreja tem ”, disse Ellis.

“Agora, na igreja do século 21, a oração foi substituída por louvor. Então você pode ter 20, 30 minutos de elogio em um serviço por duas horas e talvez cinco minutos de oração ”, continuou ele. “Acredito que se formos resgatar a igreja para resgatar os que estão morrendo, cuidando dos moribundos, vendo sinais, maravilhas e milagres seguindo o trabalho de nossos líderes, então a oração tem que ser ressuscitada”, disse ele.