Participaram da operação unidades especializadas da Polícia Civil na Capital, além de Delegacias Circunscricionais e Especializadas do município de Guaraí.

A Polícia Civil do Tocantins deflagrou nesta terça-feira, 09, em Colméia -TO, município localizado a 226 quilômetros da Capital, Palmas, a Operação Midas, que investiga crimes contra a administração pública, lavagem de dinheiro e organização criminosa no âmbito do Poder Legislativo local.

Durante a operação, foram cumpridos mandados de busca e apreensão de documentos e equipamentos eletrônicos, como também a condução de sete investigados para prestar esclarecimentos a respeito das investigações. Entre os suspeitos estão membros do Poder Legislativo de Colméia, um ex–gestor prefeito e assessores técnicos do parlamento, entre eles, um assessor jurídico. 

+ Vereador articula volta de emplacamento de veículos em Colmeia

+ Câmara de Colméia inaugura Praça Jonas Carlos Pacheco

+ Câmara de Colméia aprova projeto para contratação de servidores temporários

De acordo com o delegado Roberto Assis, responsável pela operação, as investigações duraram cerca de oito meses e partiram de denúncia de que parlamentares estariam recebendo favorecimento econômico para aprovar balancetes, projetos de lei, como também a manutenção de investigados em cargos públicos. As suspeitas é que em oito anos, cerca de R$ 600 mil foram desviados em licitações fraudulentas e atividades de corrupção ativa e passiva. 

VEJA TAMBÉM
Ciadseta em Colméia reconstrói casa de idosa com dinheiro das ofertas e dízimos

Ainda segundo o delegado, mesmo não havendo prisões, cada investigado assinou um termo de compromisso de pagamento de fiança estipuladas entre 02 (dois) a 10 (dez) salários mínimos, sob pena de serem presos preventivamente.