“Nova previdência garantirá o equilíbrio fiscal”, diz deputado Damaso

A favor da reforma, o deputado federal Osires Damaso (PSC/TO) disse que a nova previdência garantirá o futuro das próximas gerações. A proposta foi aprovada em primeiro turno, nesta quarta-feira (10), por 379 votos a favor e 131 contra a matéria.

O texto-base aprovado é o substitutivo do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), que aumenta o tempo para se aposentar, limita o benefício à média de todos os salários, eleva as alíquotas de contribuição para quem ganha acima do teto do INSS e estabelece regras de transição para os atuais assalariados.

Segundo o deputado tocantinense, “Essa reforma é de fundamental importância para garantir o ajuste no equilíbrio fiscal do país e a consequente retomada no crescimento econômico. O povo brasileiro já entendeu que para ser livre e prosperar é preciso se desfazer das amarras de um Estado que mantém privilégios, impede a oferta de mais e melhores empregos e dificulta a iniciativa daqueles que desejam empreender”.

+ Saiba quem foram os parlamentares do Tocantins que votaram a favor da reforma da previdência

Novas regras

Na nova regra geral para servidores e trabalhadores da iniciativa privada que se tornarem segurados após a reforma, fica garantida na Constituição somente a idade mínima. O tempo de contribuição exigido e outras condições serão fixados definitivamente em lei. Até lá, vale uma regra transitória.

VEJA TAMBÉM
Pastores comentam greve geral desta sexta-feira

Para todos os trabalhadores que ainda não tenham atingido os requisitos para se aposentar, regras definitivas de pensão por morte, de acúmulo de pensões e de cálculo dos benefícios dependerão também de lei futura, mas o texto traz também normas transitórias até ela ser feita. Para os atuais trabalhadores segurados do INSS (Regime Geral da Previdência Social – RGPS), o texto cria cinco regras de transição, e a pessoa poderá optar por uma delas.

Os estados ficaram de fora das novas normas, devendo apenas adotar fundos complementares para seus servidores dentro do prazo de dois anos da futura emenda, além de poderem cobrar alíquotas progressivas, nos moldes da instituída para os servidores federais.

Quanto ao pagamento do Benefício de Prestação Continuada (BPC), o relator limitou o seu recebimento ao idoso e à pessoa com deficiência de famílias cuja renda mensal per capita seja inferior a 1/4 do salário mínimo, admitida a adoção de outros critérios de vulnerabilidade social.

Conter o déficit

VEJA TAMBÉM
Paulo Guedes vai à Câmara para debater reforma da Previdência

O objetivo da reforma, segundo o governo, é conter o déficit previdenciário – diferença entre o que é arrecado pelo sistema e o montante usado para pagar benefícios. Em 2018, o déficit previdenciário total da União, que inclui os setores privado e público mais militares, foi de R$ 264,4 bilhões.

A expectativa do Planalto com a reforma da Previdência era economizar R$ 1,236 trilhão em dez anos, considerando apenas as mudanças para trabalhadores do setor privado e para servidores da União. Com as alterações promovidas pelo relator, a economia poderá ficar em torno de R$ 1 trilhão nesse mesmo período.

(Com informações da Agência Câmara)