Da redação

Violência no país é assustadora. Foto: Reprodução

A perseguição violenta dos cristãos na África continua, o mais recente ataque destaca a situação terrível no país africano de Burkina Faso, quatro cristãos foram executados em sua aldeia, escolhidos por usarem cruzes que significavam sua fé em Cristo.

De acordo com a Portas Abertas dos EUA , um grupo que monitora a perseguição de cristãos em todo o mundo, o último ataque chocante aconteceu no dia 27 de junho, quando “homens armados não identificados” entraram em uma aldeia.

Trabalhadores de campo da Portas Abertas dos Estados Unidos que falaram com os sobreviventes dizem que os militantes “disseram a todos que se deitassem e procurassem os cristãos perguntando pelo primeiro nome ou procurando por alguém usando insígnia cristã”.

+ Terroristas islâmicos assassinaram pelo menos 19 cristãos em Burkina Faso no domingo, 9

+ Atentado contra igreja mata seis cristãos em Burkina Faso

A busca mortal rendeu quatro homens: David Zoungrana, seu irmão mais novo, Philippe, Theophile Ouedraogo e Ernest Kassoaga. Eles estavam todos usando cruzes. Contatos no chão nos dizem que quando eles viram cruzes, os assaltantes os destacaram. Todos os quatro foram levados de lado e executados.

É uma notícia trágica que é difícil para os americanos observarem de meio mundo de distância para compreender.

Nesse estágio, não sabemos a idade deles nem nada sobre as famílias que David, Philippe, Theophile e Ernest deixaram para trás. Só que eles seguiram a Jesus – e a fé deles era parte deles. Eles não tinham medo de fazer uma declaração pública de sua crença em uma  área conhecida internacionalmente por sua exibição de sete mesquitas de adobe – seis das quais são construídas no topo da colina principal de Bani.

Antes de os terroristas deixarem a aldeia, eles incendiaram a loja que pertencia a Zoungrana. Depois mudaram-se para outra aldeia, Pougrenoma, também na região de Bourzanga. Lá, eles alertaram os moradores contra o chamado de qualquer funcionário do governo ou forças militares, indicando que eles retornariam. Eles também disseram aos cristãos para converter ou aceitarem a execução.

NOVO ATAQUE DE BURKINA FASO TRAZ A RESOLUÇÃO DE MORTE PARA 27

Os detalhes do último ataque são  estranhamente similares ao massacre de assassinatos contra cristãos e igrejas em Burkina Faso este ano. Esses últimos assassinatos trazem o número de mortes de cristãos mortos em ataques de 27 a 27 de fevereiro. Em vários ataques, incluindo este, os terroristas armados desafiaram os cristãos a se converterem ou morrerem.

Desde fevereiro, ataques extremistas contra cristãos e igrejas em Burkina Faso incluem:

  • O assassinato, em 15 de fevereiro, de um padre de 72 anos na fronteira em Nohao. Ele e dois outros padres entraram em um ataque jihadista no posto enquanto viajavam de Togo.
  • O assassinato, em 19 de fevereiro, de um pastor de 54 anos na estrada entre Tasmakatt e Gorom-Gorom. O pastor Jean Sawadogo foi morto a caminho de Gorom-Gorom. Ele deixou uma viúva e sete filhos.
  • O 23 de abril assassinato de um pastor perto da principal cidade de Arbinda, no Sahel.
  • O 28 de abril  assassinato de seis pessoas em uma igreja na pequena cidade de Silgadji perto Djibo  no norte de Burkina Faso. Suspeitos militantes islâmicos chegaram em sete motocicletas por volta do meio-dia, no final do culto, e mataram o pastor de 80 anos, seu filho, cunhado, professor de escola primária e outros dois. Eles foram orientados a se converter e, quando recusaram, foram executados um por um. Pastor Pierre Ouedraogo deixou para trás sua esposa e seis outras crianças. 
  • O assassinato, em 12 de maio,  de seis pessoas, incluindo um padre, por homens armados que invadiram uma igreja em Dablo,  no norte de Burkina Faso, durante o culto. Eles incendiaram a igreja, lojas, centro de saúde e outros edifícios comunitários.
  • A execução de 13 de maio de quatro crentes em Singa, no município de Zimtenga, no norte central. Os membros da igreja estavam trazendo uma estátua de Maria de volta à sua paróquia em Zimtenga quando foram interceptados. Os agressores soltam as crianças antes de executar os quatro adultos.
  • O 26 de maio  assassinato de quatro fiéis durante um culto da igreja em Toulfe. Segundo a agência de notícias Fides, oito pessoas fortemente armadas chegaram ao povoado por volta das nove da manhã em quatro motocicletas. Eles entraram na igreja e mataram três pessoas mortas. Um quarto cristão morreu depois como resultado de feridas. Um número desconhecido de pessoas ficaram feridas. O ataque ocorreu exatamente quando os trabalhadores da Portas Abertas voltaram de Burkina Faso com um chamado para uma oração urgente pelos crentes de lá.

(Com FaithWire)