Da redação

Os chips também já estão sendo usados em muitos outros países como Austrália, EUA e até mesmo o Brasil. Foto: Ilustrativa

Milhares de pessoas na Suécia estão concordando em ter microchips colocados sob sua pele para ajudá-los em transações financeiras, viajando no trem e abrindo fechaduras nas portas. Os chips também já estão sendo usados em muitos outros países como Austrália, EUA e até mesmo o Brasil.

A empresa sueca Biohax International patenteou um microchip que pode ser injetado em uma mão humana e usado para realizar transações financeiras, abrir portas e acessar informações. Jowan Österlund, 38 anos, iniciou sua empresa em 2013 e, de acordo com a revista Fortune , a Biohax inseriu microchips em 4 mil pessoas na Suécia e outras em toda a Europa. 

+ Chip sob a pele faz sucesso nos EUA no segmento empresarial

+ O microchip da besta já chegou?

+ Austrália inicia implantação de chip em toda população

Österlund disse à Fortune que acredita que “milhões” a mais serão injetados com o chip. A Suécia já é quase sem dinheiro, e os suecos confiam demais em seu governo para pensar que usaria tecnologia contra eles.  

“É uma coisa cultural”, disse o empresário à Fortune. “Temos uma taxa de adoção mais rápida (de novas tecnologias) na Suécia, e provavelmente existe um nível mais alto de confiança em nosso governo do que em muitos outros países. Não estamos com medo de sermos aproveitados.

Seu chip pode transportar bilhetes de trem, e as ferrovias nacionais da Suécia são totalmente “capazes de biochip”, relatou a Fortune. Muitas das academias de ginástica “Nordic Wellness” do país estão equipadas para reconhecer os biochips como senhas, chaves e senhas para informações pessoais. Os fãs descrevem os chips injetados como mais seguros que as chaves eletrônicas e menos complicados que os convencionais. 

O biochip é especialmente popular entre pessoas que já estão interessadas em modificações corporais como tatuagens e piercings. O próprio Österlund é tatuado e seu primeiro negócio foi uma empresa de body-piercing que oferecia, entre outros enfeites, “marcas de pele de aço quente”.   

Edwin Black, jornalista investigativo e autor de Guerra contra os Fracos: Eugenia e Campanha dos Estados Unidos para Criar uma Raça Mestra, disse à LifeSiteNews que a nova tecnologia poderia significar o fim da liberdade pessoal para populações inteiras. 

“Por muitos anos, a comunidade de privacidade temeu esse momento em que o chip implantável se tornaria pequeno o suficiente para ser injetado na mão”, disse Black por telefone. 

“Isso significa que o comportamento humano pode ser rastreável e controlável pelo injetor, e se esse injetor é um governo ou uma corporação sob o controle do governo, estamos virando uma esquina onde o governo será capaz de acabar com toda uma classe de pessoas. em sua origem ou oposição à política ”, continuou ele. 

Black mencionou a China, a quem ele chamou de “um pioneiro da eugenia do nosso tempo”, e seu sistema de crédito social , que já controla o comportamento e os movimentos de seus cidadãos.

“Se esta tecnologia se tornar amplamente adotada, especialmente em regimes totalitários como a China, poderemos ver a terrível transição para uma região desconhecida da existência humana”, disse o autor. 

Sinais

Comentaristas cristãos notaram que um tal chip tem uma estranha semelhança com a chamada “marca da besta” do Livro do Apocalipse. 

Afirma o antigo último livro da Bíblia: “E ele fará com que todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, homens livres e escravos, tenham um caráter em sua mão direita ou em suas testas. E ninguém pode comprar ou vender, senão aquele que tem o caráter, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. 

Neste livro, São João escreve sobre uma “segunda besta” do Apocalipse que forçaria as pessoas a serem marcadas e tornariam ilegal a participação de qualquer pessoa no comércio sem a marca. O que essa marca pode ser tem sido objeto de especulação desde que o Livro do Apocalipse foi escrito. 

Em uma palestra de 2016 no Fórum de Vida de Roma , John Henry Westen, editor-chefe da LifeSiteNews, disse que ter “alguma marca que permita a compra e venda não é o mal em si”, apenas se houver algumas amarras uma marca que “faz com que seja digno de condenação eterna”.

Westen especulou que, em um futuro não muito distante, os cidadãos cumpridores da lei só conseguirão se envolver no comércio por meio de tal chip. Ele especulou que os cidadãos só poderão receber tal chip se primeiro concordarem em “assinar alguma declaração” dos chamados direitos humanos, que incluiria a aceitação da ideologia homossexual, aborto e outras posições imorais. Desta forma, assinar tal declaração para receber tal chip significaria uma volta para Satanás e para longe de Deus.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here