Da redação

O Procon notificou nesta quinta-feira (18) o Faceapp, aplicativo que virou febre na internet por envelhecer os rostos dos usuários. Nos últimos dias, a ferramenta tem sido alvo de questionamentos quanto à sua política de privacidade.

De acordo com o diretor executivo do Procon, Fernando Capez, a preocupação é a de que o aplicativo faça uso indevido das imagens e dados dos usuários.

Também foram notificadas as empresas de tecnologia Google e Apple por disponibilizarem o aplicativo nas lojas oficiais. De acordo com o Procon, elas seriam corresponsáveis pelo potencial abuso do Faceapp.

+ MP notifica Google e WhatsApp para que removam imagens da boneca ‘Momo’ das redes sociais

+

Até o momento o aplicativo já foi baixado por mais de 100 milhões de pessoas ao redor do mundo. No entanto, os termos de uso e a política de privacidade da ferramenta passaram despercebidos pela maioria dos usuários:

É por meio dessas normas que o aplicativo explica aos usuários quais são as condições de utilização do serviço. Apesar de essenciais, elas estão todas em inglês.

VEJA TAMBÉM
Em Palmas, preços dos materiais escolares variam em até 200%, aponta Procon

O Faceapp, que tem endereços localizados nos Estados Unidos, Rússia e Panamá, afirma que não vende informações a terceiros, mas que pode compartilhar alguns dados com empresas parceiras.

Ainda de acordo com a ferramenta, os prestadores de serviços do aplicativo podem ter acesso às informações dos usuários conforme necessário.

O Procon aguarda agora um esclarecimento da empresa quanto à suspeita de coleta indevida de dados. O caso deve então seguir para a diretoria de fiscalização da Fundação para ser avaliado.

Caso seja comprovada a prática abusiva, Faceapp, Google e Apple podem ser multados em até R$ 10 milhões.