Da redação

O deputado federal Marco Feliciano (Podemos-SP) defendeu, em entrevista ao Pânico nesta segunda-feira (22), a indicação de um ministro homossexual ao Supremo Tribunal Federal (STF).

O parlamentar argumentou que a diferença de visões de mundo é fundamental para a democracia, inclusive no STF. Por isso, ele defende a indicação de ministros “terrivelmente evangélicos”, como já disse o presidente Jair Bolsonaro, homossexuais e transexuais. “O que há de mais belo na democracia é a pluralidade de pensamentos. Tinha que ter lá [no STF] um ministro homossexual”, afirmou.

+ Marco Feliciano recebe medalha “Jerusalém de Ouro”

+ Perigo: STF já conta ao menos 10 ações para liberar ideologia de gênero em escolas

Feliciano ainda explicou o que Bolsonaro quis dizer quando afirmou que indicaria um ministro “terrivelmente evangélico” à Corte. “É um evangélico puro-sangue, que siga o Evangelho de verdade, que não seja alguém que seja evangélico só naquele momento”, disse. “Eu seria além do terrivelmente evangélico”, continuou.

Para o deputado, um ministro evangélico defenderias as pautas conservadores. “Ele tem os ministros cristãos, os princípios que nós não vemos hoje no Supremo Tribunal Federal. Nós não temos um ministro conservador lá. Há quem diga que o Gilmar Mendes é conservador, mas não sei onde”, ironizou.

VEJA TAMBÉM
Igreja não é comércio, diz Feliciano contra impostos para templos

Ainda falando sobre a população LGBTQ e o STF, Marco Feliciano contou que está trabalhando com outros deputados para apresentar um projeto de criminalização da homofobia que substitua o que foi aprovado pela Corte em junho. “Nem o próprio movimento LGBT aceitou a forma como foi catagolada a questão da homofobia”, disse. Ele afirmou que está fazendo a nova proposta com os deputados David Miranda (PSOL-RJ) e Maria do Rosário (PT-RS).

(Com Jovem Pan)