Redação JM Notícia

Polícia investiga esquema de propina na Câmara de Augustinópolis — Foto: Lucas Ferreira/ TV Anhanguera

Por determinação da Justiça, os dez vereadores da cidade de Augustinópolis suspeitos de corrupção não terão seus mandatos cassados.

O juiz Jefferson David Asevedo Ramos, da 1ª Escrivania Cível de Augustinópolis suspendeu a decisão anterior cassava os mandatos acatando o pedido da defesa dos vereadores, uma vez que o pedido de cassação foi feito pelos suplentes.

Os dez vereadores são investigados por um suposto recebimento de propina para aprovar projetos de interesse da Prefeitura. As investigações da Polícia Civil resultou na prisão dos parlamentares, mas eles já foram soltos e respondem ao processo em liberdade.

Ainda assim, os vereadores seguem afastados dos cargos até vencer o prazo de 120 dias, tempo terminado pela Justiça no ato das prisões.

Os suplentes assumiram os postos vagos e votaram no pedido de cassação no dia 19 de junho. Um advogado representou os vereadores Antônio Silva Feitosa (PTB), Maria Luisa de Jesus do Nascimento (PP), Antônio Barbosa Sousa (SD), Antônio José Queiroz dos Santos (PSB), Edvan Neves Conceição (MDB), Ozeas Gomes Teixeira (PR), Francinildo Lopes Soares (PSDB), Angela Maria Silva Araújo de Oliveira (PSDB), Marcos Pereira de Alencar (PRB) e Wagner Mariano Uchôa Lima (MDB).

VEJA TAMBÉM
Durante operação, Polícia Civil encontra plano de facção para invadir bloco de rivais

Segundo as investigações, o esquema movimentava cerca de R$ 40 mil por mês, os vereadores acusados votariam os projetos da Prefeitura em troca de dinheiro.