Redação JM Notícia

Reitor Ari Miguel Ott

O Reitor da Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Ari Miguel Ott, gerou grande polêmica ao defender o consumo de drogas durante uma palestra dentro da própria instituição.

Ao dizer que é normal os universitários usarem drogas, ele cita que um amigo dele usava as folhas da Bíblia de sua mãe para consumir maconha e diz que “o papel dele era considerado excelente para enrolar um baseado”.

O vídeo se tornou viral e a Frente Parlamentar Evangélica emitiu uma nota de repúdio contra o reitor. Além de criticar a fala que ofende o Livro Sagrado da maioria dos brasileiros, a nota ainda lembra ao reitor que fazer apologia às drogas é crime previsto no artigo 287 do Código Penal.

“O presidente esclarece que a Frente Parlamentar Evangélica repudia veementemente as palavras do Reitor, e que a universidade deve prezar pelo comportamento ético e moral e não impor pensamentos minoritários”, diz trecho da nota assinada pelo presidente da FPE, o deputado Silas Câmara.

Leia a nota na íntegra:

VEJA TAMBÉM
Bancada Evangélica: Confira quem foi eleito e quem não conseguiu vaga no Congresso

Nota de Repúdio Frente Parlamentar Evangélica
Brasília DF, 24 de Julho de 2019

A Frente Parlamentar Evangélica – FPE do Congresso Nacional vem a público repudiar as declarações do Reitor da Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Ari Miguel Ott onde cita que o Livro Sagrado (Bíblia) tem um excelente papel para fazer uso da maconha. No contexto o reitor afrontou o livro sagrado da maioria absoluta dos Brasileiros, dentre estes os cristãos evangélicos, que no Brasil somam mais de 37 milhões.

Na citação o professor faz apologia ao uso do entorpecente, crime previsto no artigo 287 do código penal brasileiro, por alunos de universidades no Brasil e no mundo. Em suas declarações exemplifica suas afirmações. “Eu tenho 34 anos nesta instituição, nunca vi uma festa de pelados. Se tiver, me chamem. Cada vez que um aluno acende um baseado numa universidade brasileira e no mundo inteiro, estudantes fumam baseado em todas as universidades do mundo, mais cada vez que um estudante acende um baseado levantam-se as vozes do moralismo – ‘Olha aí, fumadores de maconha’! Quanta bobagem, meu Deus. Eu tive um colega no curso de Medicina, há 40 anos, ele fumou a bíblia da mãe, gente! Naquele tempo não se vendia seda, não tinha seda pra vender, e o papel dele era considerado excelente para enrolar um baseado”.

O presidente da FPE deputado Federal, Silas Câmara disse que as declarações do reitor não condizem com a postura do cargo que o professor exerce, e afronta diretamente a família brasileira e fé de milhares de cristãos que tem como base, a Bíblia, o livro sagrado. O presidente esclarece que a Frente Parlamentar Evangélica repudia veementemente as palavras do Reitor, e que a universidade deve prezar pelo comportamento ético e moral e não impor pensamentos minoritários. Por fim, afirma ainda que os deputados e senadores que compõem a frente continuarão lutando na defesa dos princípios cristãos, da família e da liberdade religiosa, construindo um Brasil Melhor.

FRENTE PARLAMENTAR EVANGÉLICA NO CONGRESSO NACIONAL

Assista:

VEJA TAMBÉM
Takayama quer explicações sobre doação do Brasil para a Palestina