Da redação

PERIGOSA – Lidi Lisboa como Jezabel: rainha movida a sexo, vaidade e política (Edu Moraes/Rede Record)

Na novela ‘Jezabel”, a Record acabou por chamar a atenção de algumas feministas que não gostaram do fim daquela que incorpora suas ideologias no folhetim: Jezabel é uma mulher rebelde diante de Deus e vai acabar no inferno.

A jornalista Raquel Carneiro de Veja fez essa analogia:

“A emissora do bispo Edir Macedo usa o programa para veicular certa agenda doutrinária: Jezabel encarna os supostos perigos da liberação feminina. Se na Bíblia sua marca é a ânsia de propagar o paganismo, na novela ela ganha outros defeitos. É vaidosa ao extremo (dá-lhe maquiagem pesada e bijuterias), trai o maridão adoidado (embora não haja problema no fato de o rei ter um harém) e mete-se em política (supremo pecado!). Ao investir nesse raciocínio, a emissora reproduz uma visão em voga entre denominações evangélicas, para as quais sua má fama originou até um jargão, “espírito de Jezabel” — que se atribui a mulheres que saem da linha”.

+ Escritora cristã mostra porque o feminismo é tão atraente para tantas mulheres

VEJA TAMBÉM
Exposição no Recife tem Bíblia rasgada e com partes íntimas desenhadas

+ Apresentadora diz que os filhos decidirão se são homem ou mulher: “Isso não cabe a mim”

Na verdade, a novela não mostra nem um pouco do que o verdadeiro “espírito de Jezabel” é capaz de fazer em uma mulher. Ela perderia feio para algumas feministas atuais.

Estas últimas defendem o aborto, blasfemam do nome de Deus, odeiam os princípios judaico-cristãos, amam a ideologia de gênero, entre outras pautas nefastas que a principiante Jezabel ainda teria muito o que aprender.

Se a intenção da novela foi essa em algum momento pode-se até pedir para fazer direito, pois o feminismo do presente século é um plus da velha Jezabel.