Sendo um dos esportes mais populares do mundo, o futebol sempre movimenta cifras milionárias, superando a receita de R$ 100 bilhões em 2018. São competições que ocorrem ao redor do mundo, construção de estádios monumentais e, claro, negociações entre clubes na compra e venda de jogadores. É sobre este último item que queremos falar agora, afinal, a aquisição de jogadores nunca chegou a valores tão altos como os que observamos na atualidade.

É cada vez mais curioso perceber esse fenômeno, especialmente se levarmos em consideração que muitos dos jogadores envolvidos nessas transações não parecem possuir o mesmo nível que craques do passado, vendidos por preços inferiores. As transferências de Luís Figo e Zidane, por exemplo, mesmo sendo recordes para suas épocas, não conseguem sequer chegar perto dos valores que são oferecidos hoje.

Cada negociação dessas, naturalmente, é uma aposta que os clubes fazem, esperando obter o retorno dos jogadores em seu rendimento. De maneira semelhante, os torcedores mais ávidos também podem se utilizar das contratações como um parâmetro para prever o futuro do time e, com isso, realizar suas previsões junto com os melhores sites de apostas da internet.

Em vista desse cenário, o Play Rating elaborou um comparativo, estabelecendo um cenário hipotético em que, tomando como base a flutuação da moeda, revela quais seriam os valores que seriam pagos hoje pela transferência de alguns dos maiores craques do futebol mundial do passado. Alguns dos nomes da lista, inclusive, como Ronaldo Fenômeno, Platini e Maradona, ultrapassariam por muito os 222 milhões de euros que o Paris Saint Germain pagou, em 2017, ao Barcelona por Neymar.

VEJA TAMBÉM
Jogador de futebol, Olivier Giroud, apóia os cristãos perseguidos

Ronaldo Fenômeno

Dentro deste cenário hipotético, o nosso Ronaldo Fenômeno seria o nome por trás da contratação mais cara da história do futebol mundial. O parâmetro utilizado foi a transação realizada em 1997, quando o jogador deixou o Barcelona pela Inter de Milão. Na época, o clube italiano pagou 28 milhões de euros pelo Fenômeno, valor irrisório se considerarmos os montantes mais expressivos pagos nos dias de hoje. Contudo, no cenário atual, especula-se que qualquer clube tivesse de investir cerca de 433 milhões de euros pelo jogador, quase o dobro do que foi ofertado por Neymar que, em meio à polêmicas recentes, recorreu a Bíblia.

Diego Maradona

No segundo lugar deste cenário, estaria Diego Maradona. O craque argentino se transferiu para o italiano Napoli em 1984, iniciando alguns dos seus melhores anos do futebol. Na época, o clube italiano pagou apenas 7 milhões de euros por Maradona, um valor que, atualmente, é relativamente comum em transações realizadas dentro do Campeonato Brasileiro e que sequer consegue se aproximar dos 354 milhões de euros que seriam pagos caso o argentino estivesse na ativa atualmente.

VEJA TAMBÉM
Neymar escolhe música gospel para se inspirar antes de enfrentar a Costa Rica

Michel Platini e Christian Vieri

O terceiro lugar da lista é compartilhado por dois jogadores: o francês Michel Platini e o italiano Christian Vieri. Ambos foram vendidos por seus respectivos clubes por 46,48 milhões de euros em sua época. Atualmente, os jogadores teriam um valor de mercado de aproximadamente 334 milhões de euros. Recentemente, Platini foi detido na França por suspeita de corrupção.

Outros nomes

A lista cita, ainda, outros nomes famosos que foram vendidos em sua época por valores que, atualmente, seriam considerados ínfimos. Dentre eles, é possível citar o atacante holandês Marco Van Basten que se transferiu do Ajax para o Milan em 1987. Atualmente, o valor do seu passe estaria estimado em cerca de 328 milhões.

O argentino Gabriel Batistuta foi vendido ao Roma, em 2000, por 36,15 milhões de euros. Hoje, esse cenário seria bem diferente: o valor a ser pago pelo jogador seria cerca de 281 milhões de euros. Um dos nomes mais surpreendentes da lista é o do jogador Gonzalo Higuaín que, mesmo tendo sido vendido ao Juventus em 2016, teria, apenas três anos depois, seu valor triplicado. Seu passe custou 90 milhões de euros e, agora, esse valor estaria estimado em 264 milhões de euros.