Da redação

Viajar a esses países, conhecer de perto a realidade da Igreja Perseguida é uma das formas do cristão brasileiro entrar em contato com os perseguidos e entender melhor o que eles enfrentam todos os dias

“Quando uma delas começou a chorar eu a abracei. Muitas vezes eu me sinto tão impotente ao lado de nossos irmãos e irmãs. Eles têm comida, eles têm uma casa, mas como eles vão processar o trauma que passaram? Eu só posso pedir a Deus para dar-lhes paz”. Este é o relato de Nina*, cristã brasileira que esteve em uma das viagens da Portas Abertas para visitar e encorajar cristãos perseguidos que tinham sido atacados e são constantemente pressionados por comunidades e governos, apenas por seguir a Jesus. Nina conta que, durante os 10 dias que esteve junto a esses cristãos, não fez outra coisa que orar, abraçar, chorar junto.

+ Missionário batista é assassinado em Camarões após cair em emboscada

+ Boko Haram ataca em Camarões e deixa seis mortos

Um dos valores centrais da Portas Abertas é ‘pessoas voltadas para pessoas’, isso quer dizer que estar pessoalmente com irmãos e irmãs perseguidos, ou em oração, é o que temos de mais importante a fazer. O encorajamento, seja por cartas, orações ou presença é uma das formas de se aproximar do cristão perseguido. Viajar a esses países, conhecer de perto a realidade da Igreja Perseguida é uma das formas do cristão brasileiro entrar em contato com os perseguidos e entender melhor o que eles enfrentam todos os dias.

VEJA TAMBÉM
Ex-guerrilheiro colombiano testemunha sua fé no Brasil: "Deus me transformou”

Um abraço, um olhar, uma palavra de encorajamento faz a diferença na vida deles. Para isso, a Portas Abertas oferece, durante todo o ano, várias viagens a diferentes países e continentes, para que o cristão brasileiro viva essa experiência e tenha sua vida, visão e fé transformados.

A próxima viagem será em setembro, para Camarões.

CONHEÇA A IGREJA PERSEGUIDA EM CAMARÕES

Apesar de não configurar na Lista Mundial da Perseguição 2019Camarões  compõe o grupo de países em observação, ocupando a 56ª posição. Apesar de ser de maioria cristã (60,7%, segundo os dados da Lista Mundial da Perseguição 2019), grupos extremistas islâmicos, como o Boko Haram tem intentado contra os cristãos constantemente.

Os desafios enfrentados pelos cristãos camaroneses incluem a violência do grupo extremista Boko Haram na região e a natureza ditatorial do regime de Paul Biya (que é um dos regimes mais corruptos da África) e a ausência de um Estado de direito no país. Só no primeiro semestre de 2019, foram registrados dois ataques contra cristãos no país, impetrados pelo Boko Haram e que deixou cristãos feridos, com casas e negócios destruídos e atemorizados por conta do que ainda pode acontecer.

VEJA TAMBÉM
Duas iranianas presas por serem cristãs lançam livro relatando tempo na prisão

O governo é conhecido por atingir denominações cristãs específicas. Em 2013, cerca de 100 igrejas cristãs foram fechadas. Em 2018, algumas organizações cristãs tiveram dificuldades em se cadastrar. Segundo o Relatório de Liberdade Religiosa do Departamento de Estado dos EUA de 2016, “a Bolsa Bíblica de Camarões, busca o reconhecimento do governo desde 2002”.

Camarões é um país da África Ocidental que faz fronteira com o Gabão, o Chade, a República Centro-Africana, a República do Congo, a Guiné Equatorial e a Nigéria. O país tem mais de 200 grupos étnicos e é referido como “África em miniatura” devido à sua diversidade. Francês e Inglês são as línguas oficiais.

Os principais projetos da Portas Abertas no país incluem treinamento de preparação para a perseguição, treinamento de líderes e discipulado, e ajuda sócio-econômica. Durante a viagem, os cristãos brasileiros terão contato com os cristãos perseguidos que são apoiados pela Portas Abertas.

Para viajar com a Portas Abertas e conhecer o cristão perseguido em seu país, basta entrar em contato pelo email [email protected], pelos telefones (11) 2348-3330 / 3331 ou preencher o formulário em www.portasabertas.org.br/viagens