Da redação

Secretário Daniel Borini falou da importância de discutir os serviços pactuados com os demais municípios. Fotógrafo: Raíza Milhomem

Nesta segunda e terça, 19 e 20, durante todo o dia, gestores e técnicos estaduais e municipais da área da saúde dos 15 municípios que compõem a região Capim Dourado participam da 3ª Reunião Ordinária da Comissão Intergestora Regional, que tem por objetivo pactuar ações na área de vigilância em saúde nos municípios. A reunião acontece no auditório da Fundação Escola de Saúde de Palmas (Fesp), em Palmas.

A presidente da Fesp, Jaciela Leopoldino, deu as boas-vindas aos presentes e falou do processo de formação permanente na área da saúde, cujo trabalho na rede municipal de Palmas é desenvolvido pela Fesp. “Para nós é um motivo de alegria mostrar o que temos feito e como esse processo de educação permanente tem contribuído para uma saúde mais resolutiva para o usuário e para a formação dos profissionais que atuam na rede”, disse Jaciela, antes de chamar uma apresentação teatral, cujos atores são agentes comunitários de saúde que passaram por curso formação de Educação Popular em Saúde.

Apresentação do grupo teatral formado por agentes comunitários de saúde da Capital
Fotógrafo: Raíza Milhomem

Um dos primeiros assuntos da pauta abordado na reunião diz respeito à agenda de fortalecimento da Atenção Primária que pretende discutir o financiamento das ações no Sistema Único de Saúde, as estratégias para atuação das equipes de saúde da família, entre outros. De acordo com a diretora da Atenção Básica da Superintendência de Políticas e Atenção à Saúde da Secretaria Estadual da Saúde, Laudecy Alves, pelo menos oito reuniões locais devem ocorrer na busca por esse fortalecimento.

VEJA TAMBÉM
Vereador Lúcio Campelo visita órgãos, convidando o palmense a cuidar da saúde mental

Também estão sendo discutidos: o Plano Estratégico de Fortalecimento das Ações de Enfrentamento da Síndrome Congênita associada à infecção pelo vírus Zika e outras síndromes causadas por Sífilis, Toxoplasmose, Rubéola, Citomegalovírus e Herpes; as novas alterações no Sistema de Cadastro de Estabelecimento de Saúde; obrigatoriedade de exames dos contatos dos pacientes com hanseníase; parâmetros para o monitoramento da colinesterase nos agentes de saúde que utilizam inseticidas organofosforados e carbamatos nas atividades de controle vetorial; inserção de DIU de cobre no pós-parto e pós abortamento imediatos no Hospital e Maternidade Dona Regina; processo de educação permanente com estratégia estruturante para o fortalecimento da Rede de Atenção à Saúde com exposição do trabalho feito pela Fesp; entre outros.

“Essas reuniões são sempre importantes porque a gente pode discutir as políticas, as portarias novas do Ministério da Saúde, orientações do Estado que são importantes para poder organizar os nossos serviços e também de estreitar os laços com os outros municípios que têm Palmas como referência, sentar junto, tirar dúvidas, organizar alguns processos para oferecer a assistência que eles têm pactuado conosco”, destacou o secretário de Saúde de Palmas, Daniel Borini.