Redação JM Notícia

Deputado Federal Eli Borges

O deputado federal Eli Borges usou a tribuna do plenário da Câmara dos Deputados nesta terça-feira (20) para criticar o Projeto de Lei 3369/2015 que institui o “Estatuto das Famílias do Século XXI”.

O texto tem causado polêmica por propor o reconhecimento como família “todas as formas de união entre duas ou mais pessoas que para este fim se constituam e que se baseiem no amor, na socioafetividade, independentemente de consanguinidade, gênero, orientação sexual, nacionalidade, credo ou raça, incluindo seus filhos ou pessoas que assim sejam consideradas”.

Ao criticar o projeto, Eli Borges reconheceu que a digitação do texto abre interpretações confusas. “Eu, ao vir para Brasília e virar deputado federal, nunca imaginei que pudesse me deparar em um projeto como este em detrimento da família”, lamentou.

O deputado tocantinense indicou ao deputado autor do texto, Orlando Silva (PCdoB) que retire e proponha um novo projeto com proporções claras. “Aqui se propõe um modelo aberto de família”, entende Eli Borges.

VEJA TAMBÉM
CNJ proíbe cartórios de registrar união estável poliafetiva

Pedindo que seja reformulado, principalmente a questão de uniões poliafetivas e sobre relações consanguíneas, expressão que pode legalizar o incesto. “Um pai é um pai, uma mãe é uma mãe, um filho é um filho! Os aspectos científicos e biológicos devem ser respeitados nessa Casa”, declarou.

Texto é retirado de pauta

Por conta das críticas que o projeto recebeu, o presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, deputado Helder Salomão (PT-ES), resolveu retirá-lo da pauta.

“O projeto tem sido objeto, nas redes digitais, de interpretações distorcidas. O processo legislativo, porém, existe justamente para que os textos propostos passem pelo crivo do contraditório e sejam amadurecidos. Nesse sentido, comunico que retirei o PL 3.369/2015 da pauta, a pedido do relator, para aprimoramento de sua redação por meio da elaboração de substitutivo”, diz a nota de esclarecimento.

Nesta quarta-feira (21) estava previsto que os deputados da CDHM votassem no relatório assinado pelo deputado Túlio Gadêlha (PDT-PE) que foi totalmente favorável ao texto dizendo que o modelo tradicional de família é uma “visão retrógrada, que não se coaduna com a nova realidade das relações familiares, baseadas em premissas de igual respeito e consideração, bem como reconhecedora da heterogeneidade e da diversidade das formas de organização familiar”.

VEJA TAMBÉM
CNJ vai decidir se cartórios podem reconhecer uniões poliafetivas