Jornalista Cristão Ricardo Costa – Foto: Samuel Costa Nascimento

Redação JM Notícia

O jornalista cristão Ricardo Costa se posicionou contra o Projeto de Lei 3369/2015, chamado de o “Estatuto das Famílias do Século XXI”, que pede o reconhecimento como família de “todas as formas de união”.

O texto elaboradora pelo deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP) não deixa claro o tipo de união a ser reconhecida como família, abrindo brechas para interpretações de que se estaria validando uniões poligâmicas e o incesto.

O texto diz: “São reconhecidas como famílias todas as formas de união entre duas ou mais
pessoas que para este fim se constituam e que se baseiem no amor, na
socioafetividade, independentemente de consanguinidade, gênero, orientação sexual,
nacionalidade, credo ou raça, incluindo seus filhos ou pessoas que assim sejam
consideradas”.

Para Ricardo Costa, esse projeto é maligno e a população brasileira não deve permitir que ele seja aprovado. “Esse projeto é uma afronta a família tradicional, viola os bons costume e a moralidade. Não podemos permitir que um projeto maligno desse venha a ser aprovado no Congresso Nacional”.

VEJA TAMBÉM
"Energias renováveis são as fontes do futuro", diz deputado Gaguim

+ Projeto de lei que cria e comemora o Dia do Pastor evangélico é aprovado no Tocantins

Deputado Eli Borges critica e texto que reconheceria poligamia e incesto é retirado de pauta

Comissão de Finanças da Câmara aprova as contas de Amastha de 2013

Ainda segundo o jornalista, a maior prova de que o projeto visa afrontar a família tradicional é o conteúdo do relatório, assinado pelo deputado Túlio Gadêlha (PDT-PE) que diz que o modelo de família formado por homem e mulher, como garante o artido 226 da Constituição Federal, é uma “visão retrógrada, que não se coaduna com a nova realidade das relações familiares”.

“A nossa Constituição reconhece como entidade familiar a união estável entre o homem e a mulher, qualquer formação diferente disso não estará de acordo com Carta Magna”.