Fesserto pede que TCE e MPE iniciem apuração de denúncias feitas por diretor do Oswaldo Cruz

A Fesserto (Federação dos Sindicatos de servidores Públicos do Tocantins) solicitou, em ofício, que o TCE (Tribunal de Contas do Estado) e o MPE Ministério Público Estadual) iniciem a apuração das graves denúncias feitas pelo diretor e sócio do hospital Oswaldo Cruz Luciano de Castro. Em áudio que viralizou no Tocantins, o médico relata esquemas de corrupção e pagamentos de propina no governo do Estado, envolvendo, inclusive, o Plansaúde (Plano de Saúde dos Servidores Públicos Estaduais).

“Os fatos narrados são graves e, embora não se tenha acesso a nenhuma prova material, há no mínimo indícios que ensejam a abertura de procedimento no âmbito desse órgão para que seja apurada a existência de desvio de recursos públicos e sua eventual autoria”, destacam os ofícios, assinados pelo presidente da Fesserto, Carlos Augusto Melo de Oliveira (Carlão).

+ Júnior Geo rebate governistas e diz ter levantado situação do PlanSaúde antes de denúncias viralizadas

+ Edital de credenciamento de empresas ao Plansaúde “contém cláusula que direciona a seleção”, entende MPTO

Nos documentos, a Fesserto sugere que, além da instauração de procedimento, TCE e MPE ouçam as partes envolvidas, requisitem documentação inerente aos faturamentos e repasses efetuados pelo Plansáude nos últimos 24 meses, além de demais providências que  entenderem ser necessárias.

VEJA TAMBÉM
MPE instaura inquérito para investigar ação de policiais militares em Paraíso

“As denúncias são muito graves e foram feitas por uma pessoa que tem nome a zelar. Entendemos ser imprescindível que tudo comece a ser apurado, afinal as questões envolvem dinheiro público que estaria sendo mal utilizado”, ressaltou Carlão, ao lembrar eu ao mesmo tempo o Estado está com imensa dificuldade para cumprir suas obrigações com o funcionalismo, atrasando salários, não pagando data-base, entre outros.