Da redação

A Polícia Federal realiza a operação Milhão II na manhã desta quinta-feira (22) para apurar um suposto crime eleitoral. As investigações tiveram início no ano passado após a apreensão de R$ 1,2 milhão em malas dentro de um táxi no dia 2 de outubro, cinco dias antes das eleições gerais.

+ Crime eleitoral? PM-TO apreende R$ 1,2 milhão em espécie dentro de táxi na TO-050

Nessa fase da operação, os policiais vão apurar a incoerência e inconsistência de uma versão apresentada por uma pessoa que compareceu a sede da PF em Palmas alegando ser dono do dinheiro apreendido.

+ Bombeiros, Polícia Federal e igrejas são as instituições mais confiáveis para os brasileiros

Cerca de 40 policiais federais cumprem sete mandados de busca e apreensão, todos expedidos pela 3ª Zona Eleitoral de Porto Nacional, nas cidades de Silvanópolis e Porto Nacional, no Tocantins, além de Candangolândia e em Brasília, no Distrito Federal.

Os investigados devem responder, na medida de suas participações, pelos crimes de compra de votos e associação criminosa. O nome da operação faz alusão à quantia em dinheiro apreendida.

VEJA TAMBÉM
PF investiga fraudes nos quatro maiores fundos de pensão do país