Da redação

Médicos de plantão na UPA Norte estão preocupados com o número de atendimentos de jovens com sintomas de overdose. Imagem ilustrativa

Uma nova droga está ganhando as baladas de Palmas e provocando estrago entre os jovens. Só na madrugada do sábado, 31, cinco casos com os mesmos sintomas foram registrados na UPA Norte. De acordo com o médico plantonista da Unidade, José Carlos Miele, que atendeu parte das ocorrências, as pacientes socorridas apresentaram quadro rebaixamento de consciência. “Temos conhecimento que uma nova droga vem sendo utilizada em baladas na Capital. Ela possui ação rápida e provoca problemas cardíacos sérios. Um fator muito importante que chamou atenção dos médicos, foi que os usuários desconhecem é que ela mata”, observa o médico.

+ Bancada evangélica teve participação efetiva nas mudanças da nova Política Nacional Sobre Drogas

+ 15 mil jovens moçambicanos dizem não às drogas e ao crime em congresso

O médico conta que os relatos das pessoas atendidas que ingeriram a substância, são bem semelhantes. “Todas elas disseram que não tinham  conhecimento da presença da droga em sua bebida, e que entraram em pânico assim que perceberam aumento de euforia e a aceleração em seus batimentos cardíacos, com posterior rebaixamento de consciência, náuseas e desmaios”, conta o profissional lembrando que as vítimas são principalmente mulheres jovens.

VEJA TAMBÉM
Ação do MPE requer que Prefeitura de Palmas corrija irregularidades no sistema de saúde da Capital

Miele alerta que a ingestão destas substâncias podem ser fatal. Essa nova droga que são conhecidas pelos usuários como Key e Gi provocam surtos psicóticos, parada respiratória, problemas cardíacos e até a morte de alguns indivíduos.

Key,  é o apelido dado a Cetamina (ou Ketamina), assim como Gi é o GHB (Ácido Gama Hidroxibutírico). As duas substâncias estão sendo usadas com frequência em Palmas.  As duas substâncias são anestésicos usadas na composição de drogas sintéticas.

O médico explica que trata-se de um anestésico utilizado exclusivamente em ambientes hospitalares, principalmente em cirurgias cardíacas, neurológicas e ortopédicas, é a alternativa escolhida por traficantes para substituir e/ou intensificar os efeitos do ecstasy e do LSD.