Da redação

Audiência está agendada para o dia 3 de setembro e as sentenças de seis cristãos iranianos serão revisadas
A audiência combinará três casos antigos e relacionados

O primeiro caso envolve o pastor assírio Victor Bet Tamraz e os cristãos persas convertidos Amin Nader Afshari e Kavian Fallah Mohammadi, que foram presos em uma celebração de Natal em dezembro de 2014.

O segundo caso também envolve Amin Nader Afshari, que foi preso em agosto de 2016 com outro convertido, Hadi Asgari, e Ramiel Bet Tamraz (filho do pastor Victor), junto com outros dois.

+ Cristãos são agredidos por vizinhos enfurecidos no Vietnã

O terceiro caso envolve Shamiram Issavi Khabizeh, esposa do pastor Victor, convocado pelas autoridades em junho de 2017.

Pastor Victor foi condenado em julho de 2017 a dez anos de prisão por “agir contra a segurança nacional”. Amin, Hadi e Kavian também receberam sentenças de prisão entre dez e quinze anos por acusações semelhantes. Shamiram foi condenado em janeiro de 2018 a cinco anos de prisão por “agir contra a segurança nacional” e “agir contra o regime organizando pequenos grupos, frequentando um seminário no exterior e treinando líderes e pastores da igreja para atuar como espiões.” Em julho de 2018, Ramiel foi condenado a quatro meses de prisão por “espalhar propaganda cristã”.

VEJA TAMBÉM
Ataque a igreja na Nigéria deixa quase 20 mortos

Em uma audiência de apelação no caso de Shamiram em 19 de fevereiro de 2019, o juiz Ahmed Zargar decidiu combinar seu caso com os outros dois casos. É digno de nota que as sentenças dadas ao Pastor Victor, Amin, Hadi e Kavian foram emitidas pelo Juiz Ahmadzadeh do Tribunal Revolucionário de Teerã, que foi subsequentemente suspenso do cargo após ser investigado em relação às alegações de corrupção.

Esses casos atraíram uma atenção internacional significativa. Em julho de 2019, Sarah, que já esteve no Brasil, filha de Victor e Shamiram, levantou os casos pessoalmente com o presidente americano Trump durante uma cúpula sobre liberdade religiosa em Washington. No dia 2 de agosto, o vice-presidente americano Pence se referiu publicamente ao pastor Victor, dizendo que seu tratamento é “uma afronta à liberdade religiosa”.

O Irã é o 9º país da Lista Mundial da Perseguição 2019, que classifica os 50 países mais perigosos para ser cristão. Nos últimos anos o país tem intensificado a perseguição a cristãos e alega que eles são espiões de países ocidentais e agem contra a segurança nacional. Por isso os cristãos iranianos são sentenciados a longos períodos de prisão.

VEJA TAMBÉM
John Piper lista 7 razões para cristãos não apostarem na loteria

Você pode fazer mais pelos presos iranianos

Envie uma mensagem de encorajamento para esses cristãos, para que se firmem em Cristo durante esses dias tão difíceis. Por meio da Campanha de Cartões, você pode estar mais próximos deles, e eles sentirão o amor de Deus, em meio à perseguição e ao cárcere.