Da redação

O projeto Rio Formoso tem o Estado do Tocantins como gestor e detentor das licenças para o funcionamento das instalações. Foto: Reprodução

Em reunião com o promotor de Justiça Francisco Brandes Júnior, na segunda-feira, 2, representantes do Estado do Tocantins e dos empresários agrícolas do projeto Rio Formoso sinalizaram que irão adotar providências para sanar os riscos de segurança das barragens Calumbi I, Calumbi II e Taboca, para implementar a Política Nacional de Segurança de Barragens e para adequar as estruturas à legislação ambiental.

Nesse sentido, ficou estabelecido que a Procuradoria do Estado e o Ministério Público do Tocantins (MPTO) redigirão um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), no qual ficarão estabelecidas as providências que caberão ao poder público e aos empreendedores rurais.

+ Autorizações para captação de água na bacia do Rio Formoso são alvo de investigação do Ministério Público

+ Segurança e revitalização das barragens do projeto Rio Formoso são discutidas em reunião

Com este acordo iminente, o Ministério Público espera antecipar a solução do problema de segurança das barragens, sem que seja necessário ajuizar ação e aguardar decisão judicial. Uma ação civil pública já estava sendo redigida e contaria com pedido de liminar para a suspensão das licenças para captações da água e das licenças para operação das barragens, dos canais e dos reservatórios.

VEJA TAMBÉM
Segurança e revitalização das barragens do projeto Rio Formoso são discutidas em reunião

O projeto Rio Formoso tem o Estado do Tocantins como gestor e detentor das licenças para o funcionamento das instalações. Após intensos debates nesta segunda-feira, ficou indicado que parte das estruturas do Distrito de Irrigação Rio Formoso (Dirf) será transferida de imediato aos empresários rurais. A estes, caberá implementar a Política Nacional de Segurança de Barragens. 

Outras partes mais complexas da estrutura serão transferidas aos produtores posteriormente, por meio de institutos jurídicos a serem definidos pelo Estado e pela sua Procuradoria Jurídica, visando a completa adequação do sistema à Lei nº 12.334/2010, que estabelece a Política Nacional de Segurança de Barragens e à Legislação Ambiental.

A reunião aconteceu na Secretaria de Infraestrutura do Estado do Tocantins, com presença de técnicos, cooperativas de produtores, servidores públicos e Procuradoria do Estado, além do Ministério Público.

Segurança
Um relatório técnico do MPTO aponta que o Estado do Tocantins encontra-se omisso quanto à implementação da Política Nacional de Segurança de Barragens no que se refere aos empreendimentos Calumbi I, Calumbi II e Taboca. Nesse sentido, não existem planos relacionados à segurança e a situações de emergência, procedimentos formais de monitoramento e emissão de relatórios de segurança.

VEJA TAMBÉM
Produtores do Rio Formoso buscam Governo após problemas com autorizações para captação de água

Outro relatório, da Agência Nacional de Águas (ANA), descreve, quanto às três barragens, um quadro de estruturas comprometidas, com presença de infiltrações e presença generalizada e indevida de vegetação. A equipe e o sistema de monitoramento também são confirmados como insuficientes.

O Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), por sua vez, informou que emitiu em 2018 um relatório de inspeção em que definiu prazo de aproximadamente um ano, vencido em 2 de maio de 2019, para que fossem realizadas adequações do projeto. O não cumprimento deveria implicar em suspensão das licenças.