Vereador Alexandro Ribeiro (Foto: Divulgação)

Da Redação

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) aprovada no dia 04 de junho deste ano pela Câmara de Porto Nacional está parada no legislativo.  O requerimento que criou a CPI da BRK Ambiental partiu do vereador Alexandro Ribeiro (PMN), que alegou que “o serviço é de péssima qualidade” no município.  Um dos objetivos da CPI é investigar possíveis irregularidades do contrato de concessão e a tarifa abusiva de esgoto.

Na ocasião, a aprovação se deu por unanimidade, no entanto, os trabalhos não avançaram na Casa de Leis. O JM Notícia tentou contato com o autor do requerimento para ele explicar as causas que impedem de a CPI da BRK avançar na Casa de Leis, no entanto, as mensagens  e nem os telefonemas foram atendidos pelo vereador Alexandro Ribeiro (PMN).

+ Câmara de Gurupi aprova CPI para investigar BRK Ambiental

+ BRK Ambiental é autuada pelo Procon Tocantins por demora no atendimento

+ Câmara de Araguaína aprova requerimento para investigar BRK Ambiental

Palmas

VEJA TAMBÉM
Ex-presidentes da Câmara de Porto Nacional são condenados por desvio de dinheiro

Em Palmas, no último dia 28 de agosto, o plenário da Câmara Municipal de Palmas aprovou por 12 votos a 02 o recurso do vereador Moisemar Marinho (PDT) para a discussão do Projeto de Lei que reduz a tarifa de esgoto sanitário de Palmas, de 80% para 40%, e rejeitou o parecer da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ) pelo arquivamento. Agora o projeto seguiu para apreciação das comissões de Finanças e de Administração.

O projeto apresentado por Moisemar Marinho, ainda no ano de 2017, foi rejeitado na CCJ no primeiro semestre deste ano. No entanto, por entender que a votação foi contrária aos interesses da população, Moisemar Marinho entrou com recurso e pediu para que a discussão e a votação fossem a plenário.

Além de Moisemar Marinho votaram favoráveis ao recurso do projeto de lei que reduz a tarifa de esgoto sanitário de Palmas os vereadores Etinho Nordeste (PTB), Marilon Barbosa (PSB), Filipe Fernandes (DC), Filipe Martins (PSC), Hélio Santana (PV), Rogério Santos (PRB), Gerson Alves (PSL), Vandim do Povo (DC), Jucelino Rodrigues (PTC), Irmão Jairo (PSL) e Milton Neres (PP).

VEJA TAMBÉM
Porto Nacional: Ação Popular quer acabar com as assessorias especiais criadas pelo prefeito