Da redação

Um pastor na fronteira China-Coréia do Norte compartilhou a esperança do Evangelho com pelo menos 1.000 norte-coreanos antes de ser assassinado por seu trabalho missionário em 2016, revelou um desertor. 

A Voice of the Martyrs  diz que o Rev. Han Chung-Ryeol, um pastor chinês de origem coreana, estava na lista dos mais procurados de Pyongyang desde 2003 por seu trabalho de caridade e dedicação à divulgação do Evangelho.

+ EUA vão pressionar Coreia do Norte a respeitar cristãos e outras minorias

+ Coréia do Norte tem mais medo de cristãos do que armas nucleares, diz ex-pastor preso

Han, que ministrava na cidade fronteiriça de Changbai desde o início dos anos 90, ministrou a milhares de norte-coreanos ao longo dos anos – muitos dos quais haviam fugido do país atingido pela fome em busca de comida e emprego. O pastor forneceu ajuda prática, como alimentos e roupas, e apresentou a cada pessoa o Evangelho antes de enviá-las de volta à Coréia do Norte para compartilhar Cristo e ajudar suas famílias.

Depois de plantar uma igreja de três pessoas perto da fronteira com a Coréia do Norte em 1993, Han ajudou órfãs, mulheres escravizadas à prostituição, soldados, famintas de fome e muitas outras. 

Um homem ajudado por Han, Sang-chul, compartilhou sua história em um pequeno documentário lançado pela The Voice of the Martyrs.

VEJA TAMBÉM
Cristianismo cresce na Coreia do Norte, após 70 anos de perseguição religiosa

“Na escola primária, fomos ensinados que todos os missionários eram terroristas”, diz Sang-chul no vídeo através de um tradutor. “Eles nos disseram que um missionário será gentil com você no começo, mas quando o levarem para casa, eles o matarão e comerão seu fígado”.

O norte-coreano disse que não tinha trabalho ou comida em sua aldeia, assim como outros, ele escapou pela fronteira da montanha com a China. Ao longo do caminho, ele pegou cogumelos na esperança de vendê-los em um mercado. 

“Não falo chinês, mas nas montanhas conheci um homem. Ele disse: ‘Eu posso vender para você’. E ele não me enganou. Ele me deu todo o dinheiro da venda e, naquela época, eu não sabia que ele era o pastor Han ”, lembra Sang-chul.

“Nos dois anos seguintes, voltei várias vezes”, continuou ele. “Cada vez, o pastor Han me ajudava. Um dia, perguntei por que ele faria isso, pois ele próprio estava correndo grande perigo por ajudar um norte-coreano”.

“É porque sou cristão”, disse Han.

E então um dia Han disse a ele: “Deus é real. Há esperança para cada pessoa”. Mas Sang-chul se perguntou por que alguém diria “Hananim”, a palavra para Deus.

“Eu não podia acreditar que ele diria a palavra ‘Deus’. Ninguém diz essa palavra “, disse Sang-chul. “Sabemos que é um ato de traição. Falar o nome de Deus pode levar soldados a entrar na noite”.

VEJA TAMBÉM
Americano preso na Coreia do Norte morre após ser devolvido em coma a seus familiares

Não haveria julgamento por esse crime, disse ele, e “ninguém jamais ousará perguntar aonde você foi”. 

Logo, Sang-chul se convenceu de que o cristianismo era verdadeiro e pediu ao pastor uma Bíblia. No começo, Han estava hesitante, não querendo prejudicar o amigo. 

“Mas com o tempo eu o convenci”, disse Sang-chul. “Mostrei a Bíblia para minha esposa. No início, ela se recusou a sequer olhar para ela … ela sabia que se alguém informasse que você sequer olhou para uma Bíblia, você seria preso, e não apenas você. Você e todos os seus parentes enviaram para os campos de concentração por anos e anos.

Mas com o tempo, a esposa de Sang-chul também abraçou o cristianismo e encontrou esperança: “Era muito perigoso para mim compartilhar”, disse ele. 

A Voice of the Martyrs  informou em 2016 que Han foi brutalmente assassinado em Changbai, China. Ele tinha apenas 49 na época de sua morte, o corpo mutilado do pastor foi descoberto poucas horas depois que ele deixou seu prédio em Changbai.

“O pastor Han deu a vida, mas deu esperança a mim e a muitos outros norte-coreanos”, disse Sang-chul. “E apesar do perigo sempre presente, muitos de nós continuarão compartilhando a mensagem de que Deus é real.”