Redação JM Notícia

Deputado Federal Eli Borges

O deputado federal Eli Borges (SD-TO) defendeu a divisão dos poderes ao se colocar contrário ao ativismo judiciário que tem levado o Supremo Tribunal Federal (STF) a legislar a respeito de vários temas que não passaram pelo Legislativo.

Os parlamentares da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania debateram nesta terça-feira (10), sobre um requerimento de retirada de pauta de uma emenda que trata sobre procedimentos em CPIs em andamento na Câmara.

Muitos parlamentares entenderam que é momento dos deputados agirem para impedir que o STF proíba-os de trabalhar nas comissões que possuem carater de investigação.

Ao citar decisões como a criminalização da homofobia, Eli Borges exemplificou a forma como o ativismo judiciário tem impactado os trabalhos no Congresso. 

“Há um debate in voga em todo o Brasil neste momento sobre o ativismo judicial ou da usurpação do poder de legislar. De fato, tivemos recentemente decisões como a de homofobia e outras que contrariavam em cheio o Artigo 5º da Constituição Federal. Não estamos discutindo o direito de certos segmentos provocado o Judiciário, mas sim o que ele faz depois de ser provocado”.

VEJA TAMBÉM
Maia diz que proibição de aborto em caso de estupro 'não vai passar na Câmara'

Na visão de Eli Borges, parece que o STF “aproveita uma provocação para depois tomar uma decisão que a priori seria dos deputados”, o que já se classifica como uma usurpação de papéis.

“Parece que alguns ministros pegam carona na provocação e fazem leis, normas e regras e assim o Brasil vai se tornando um Estado de exceção”, completou ele deixando claro que as leis precisam ser criadas no Congresso.