Da redação JM

Cristãos chineses se ajoelham e oram durante a Missa do Domingo de Ramos, durante a Semana Santa da Páscoa, em uma igreja “subterrânea” ou “não oficial” em 9 de abril de 2017, perto de Shijiazhuang, província de Hebei, China. | 
Getty Images / Kevin Frayer

As igrejas da província central de Henan, na China, foram forçadas a substituir os Dez Mandamentos pelas citações do presidente Xi Jinping, em meio à pressão do governo, revelou uma revista de direitos humanos, informou The Christian Post.

Bitter Winter relata que os Dez Mandamentos foram removidos de quase todas as igrejas de Três Eu e locais de reunião em um município da cidade de Luoyang e substituídos pelas citações do presidente como parte dos esforços do Partido Comunista Chinês para “sinicizar” o cristianismo .

+ China — A tirania totalitária determinada a erradicar todas as religiões

Os mandamentos bíblicos dados a Moisés, que incluem “Você não terá outros deuses diante de Mim” e “Você não fará para si uma imagem esculpida”, foram substituídos por citações de Xi, incluindo trechos de seu discurso na Frente Unida Central Reunião de trabalho do Departamento de Trabalho em 2015:

“Os valores socialistas centrais e a cultura chinesa ajudarão a imergir várias religiões da China”, disse ele. “Apoiar a comunidade religiosa na interpretação de pensamentos, doutrinas e ensinamentos religiosos de uma maneira que esteja de acordo com as necessidades do progresso dos tempos. Resolutamente, proteja-se da infiltração da ideologia ocidental e conscientemente resista à influência do pensamento extremista. ”

VEJA TAMBÉM
Afro-americanos são os que mais leem a Bíblia nos Estados Unidos, diz estudo

Como desobedecer às ordens é visto como opondo-se ao Partido Comunista, algumas igrejas de Três-Eu foram fechadas por não implementar a regra, enquanto outras congregações foram ameaçadas de serem incluídas na lista negra pelo governo, disse uma fonte anônima à revista.

Um pastor de uma igreja protestante estatal disse ao Bitter Winter que o PCCh está destruindo metodicamente igrejas de três seres, corroendo a doutrina cristã.

“O primeiro passo do governo é proibir dísticos religiosos. Em seguida, desmonta as cruzes e começa a implementar os ‘quatro requisitos’, ordenando que a bandeira nacional e os ‘valores socialistas centrais’ sejam colocados nas igrejas ”, disse o pastor. “Câmeras de vigilância para monitorar os fiéis e atividades religiosas são então instaladas. O último passo é substituir os Dez Mandamentos pelos discursos de Xi Jinping. ”

“O objetivo final do Partido Comunista é ‘tornar-se Deus’. Isso é o que o diabo sempre fez ”, acrescentou. 

Outro crente disse ao Bitter Winter que os cristãos “não têm liberdade alguma”, acrescentando: “A China é uma ditadura de partido único. As pessoas só podem obedecer ao Partido Comunista e ser controladas por ele. ”

VEJA TAMBÉM
Acordo entre Vaticano e China é 'traição' a ​​milhões de cristãos, alertam lideranças

O grupo Watchdog, Open Doors USA, classificou a China como número 27 na lista de países em que os cristãos enfrentam a mais severa perseguição por sua fé.

A Portas Abertas alertou em seu relatório que “o aumento do poder do governo e o governo do presidente Xi Jinping continuam dificultando o culto aberto em algumas partes do país”.