“A arte é demoníaca, e nós, artistas, somos o instrumento do demônio”, critica Fernanda Montenegro

A atriz faz parte de uma classe de artistas que criticam o atual governo e sua pauta conservadora

Da redação JM

A atriz faz parte de uma classe de artistas que criticam o atual governo e sua pauta conservadora. Foto: Reprodução

Prólogo, Ato, Epílogo é o nome da autobiografia da atriz global Fernanda Montenegro, lançada nesta sexta-feira, 20, pela editora Companhia das Letras. No livro, ela fala sobre seus 70 anos de carreira, vida pessoal, prêmios e trabalhos no teatro, TV e cinema.

+ Pastor Silas detona Globo: “apoia crime contra crianças e adolescentes”

+ Sérgio Moro notifica Globo por conteúdo impróprio em novela

Quando o assunto é a atual política do país, Fernanda aproveita para criticar os conservadores por não concordarem com todo o tipo de arte que a classe artística tenta empurrar à sociedade. “Estamos nos transformando em um país conduzido por uma visão religiosa e quem não apoiar não terá nada. E a cultura tornou-se o primeiro item a ser revisto e, se possível, exterminada. A arte é demoníaca, e nós, artistas, somos o instrumento do demônio”.

A atriz faz parte de uma classe de artistas que criticam o atual governo e sua pauta conservadora.

Assista: